Primeira passagem para consolidar calado de 11,90m é um marco para a exportação do agronegócio

07:47

 

Trecho raso e lamoso que delimita o calado (parte submersa) de todos os navios na Bacia Amazônica, a barra norte do Rio Amazonas vai, aos poucos, sendo superada por embarcações cada vez mais carregadas. No último fim de semana, ocorreu o primeiro de 12 testes para validação do novo calado de 11,90 metros pela Marinha. O avanço seguro na região vem sendo possível porque a Praticagem da Bacia Amazônica Oriental investe no estudo das marés e na sondagem da profundidade (batimetria) dos rios que compõem a bacia. E a expectativa é que se avance ainda mais com o recente investimento anunciado no sistema de calado dinâmico.

O navio ASTRAEA SB saiu carregado de soja de Santarém (PA), na sexta-feira (18/2). No sábado, em Fazendinha, Macapá (AP), houve a troca da dupla de práticos que se revezava na condução da embarcação. De lá, o navio navegou 150 milhas náuticas (277,8km) até a travessia da barra norte, com 11,75 metros de calado. O trecho de 23 milhas náuticas (42,6 km) requer uma navegação de extrema precisão para a embarcação não tocar o fundo. Por isso, é feito em baixa velocidade, monitorando-se o tempo todo a folga abaixo da quilha.

Acompanharam a passagem a bordo um representante da Autoridade Marítima (do Centro de Hidrografia e Navegação do Norte) e um inspetor naval PSC (Port State Control). Eles desembarcaram com os práticos no Espadarte, no nordeste do Pará, de onde o graneleiro seguiu viagem rumo ao Egito. Serão realizados mais um teste com 11,75 metros de calado; dois testes com 11,80m; quatro testes com 11,85m; e, finalmente, mais quatro testes com 11,90m; todos aproveitando a maré de 3,10m ou mais.

– Foi o primeiro de uma série de testes para consolidar o aumento do calado máximo autorizado pela Marinha. É um marco que vai potencializar a exportação do agronegócio pelo Arco Norte e a produtividade dos terminais de Itacoatiara (AM), Santarém (PA) e Santana (AP), promovendo a expansão da hinterlândia (área de abrangência comercial) dos portos da Amazônia. Todo o investimento custeado exclusivamente pela praticagem – destaca o presidente da Cooperativa de Apoio e Logística aos Práticos da Zona de Praticagem 1 (Unipilot), prático Adonis dos Santos.

Os estudos da praticagem na análise das marés se aprofundaram em 2017, quando foi instalado um marégrafo no Canal Grande do Curuá, cujas informações têm sido compartilhadas com a Marinha e com a UFRJ. Já a sondagem das profundidades dos rios é feita pela praticagem, de modo complementar às sondagens oficiais, há mais de dez anos, sendo de suma importância, porque na Amazônia bancos de areia se movimentam constantemente sob as águas, alterando os canais de navegação. A partir do início do projeto, o calado permitido aumentou de 11,50 metros para os 11,90m atuais, autorizados em fase de testes, possibilitando carregar mais de US$ 1 milhão em carga por navio.

No dia 8 de fevereiro, a praticagem anunciou mais um investimento que pode contribuir para elevar o calado para até 12,50 metros. O protocolo para implantação do sistema de calado dinâmico foi assinado pela Unipilot com o Comando do 4º Distrito Naval. O sistema integrado de coleta e processamento de dados calcula o quanto um navio pode aumentar o seu volume submerso, sem risco de encalhe, considerando informações como os intervalos de maré, entre outras. Até o fim do mês, será fundeada a primeira de três boias meteoceanográficas cujos sensores vão gerar dados de correntes, altura de maré e densidade da água, durante todos os dias da semana. O custo do projeto é de R$ 3,6 milhões.

– Além de suportar o alto custo de funcionamento da atividade, com lanchas especiais e centros de operações em prontidão 24 horas, todas as praticagens fazem pesados investimentos que conciliam navegação segura e eficiência. Isso é viável porque, lá atrás, nos anos 1960, a Marinha tornou a praticagem uma atividade privada. A consequência dessa decisão é vista na qualidade do serviço e na produtividade que ele gera para o país – ressalta o presidente da Praticagem do Brasil, prático Ricardo Falcão, que também atua na região.

Somados a bauxita, contêineres, petróleo e derivados, produtos como soja e milho são cada vez mais escoados pelos rios da Amazônia. A produção do agronegócio do Centro-Oeste chega em barcaças pelo Rio Madeira até Itacoatiara (AM) e pelo Rio Tapajós até Santarém (PA). Nos terminais portuários, a carga é transferida para os navios que descem o Rio Amazonas. Em 2020, o Arco Norte alcançou paridade de movimentação de soja e milho com o Porto de Santos, respondendo por 31,9% do total embarcado no país, o dobro da sua participação em 2009. A exportação de grãos acima do paralelo 16 saltou de 7,2 milhões em 2009 para 42,3 milhões em 2020, segundo a Confederação Nacional da Agricultura.

Fonte: Praticagem do Brasil

TRIBUNAL MARÍTIMO REALIZA PRIMEIRA SESSÃO PLENÁRIA DE 2022

05:49

Juiz Presidente destaca resultados de 2021 durante primeira sessão plenária


 O Tribunal Marítimo (TM) realizou no dia 08 de fevereiro a primeira sessão plenária de julgamento do ano de 2022. Conduzida pelo Juiz-Presidente, Vice-Almirante Wilson Pereira de Lima Filho, a sessão de nº 7.551 ocorreu no formato presencial, cumprindo todos os protocolos sanitários emanados pelos órgãos responsáveis, de forma a evitar a Covid-19. 

 

Na abertura, o Almirante Lima Filho destacou a produtividade do TM em 2021: “apesar dos desafios enfrentados, o ano de 2021 foi um ano de bons resultados na nossa Corte Marítima, julgamos 772 processos, índice superior a média histórica do Tribunal Marítimo. Da mesma forma, a Divisão de Registros se superou, a título de exemplo foram produzidos 850 certificados de Registro Especial Brasileiro (REB) contra 324 em 2018”. Em sua fala o Presidente ressaltou que a Força de Trabalho do Tribunal Marítimo foi resiliente e não se rendeu à pandemia e seguiu trabalhando com afinco pela Justiça e Segurança da Navegação, sem deixar de cumprir os protocolos sanitários em vigor.


Primeira sessão plenária de 2022



Estiveram presentes na sessão integrantes do TM e representantes da comunidade marítima, inclusive 10 advogados que labutam no Tribunal. O presidente do TM reforçou, na ocasião que não poderia deixar de saudá-los. “As senhoras e senhores tem se caracterizado pelo profissionalismo e urbanidade. Os advogados são indispensáveis para que se ‘faça justiça’ nos julgados desta Corte Marítima, bem como possuem papel essencial na regularidade e no andamento processual”, afirmou.


Fonte: Tribunal Marítimo Assessoria


Rio Amazonas terá sistema de calado dinâmico - Praticagem e Marinha assinam protocolo para implantar calado dinâmico

13:36

Sistema na barra norte do Rio Amazonas vai ampliar o carregamento dos navios e atrair investimentos para toda a região amazônica

Nesta terça-feira, a Cooperativa de Apoio e Logística aos Práticos da Zona de Praticagem 1 (Unipilot) e o Comando do 4º Distrito Naval assinaram um protocolo visando à implantação de um sistema de calado dinâmico na barra norte do Rio Amazonas.

O sistema integrado de coleta e processamento de dados calcula o quanto um navio pode aumentar o seu volume submerso, sem risco de encalhe, considerando informações como os intervalos de maré, entre outras. Esse dado é fundamental para ampliar o carregamento das embarcações, já que a barra norte é um trecho raso e lamoso de 24 milhas na foz do Rio Amazonas, que delimita o calado (parte submersa) de todos os navios na Bacia Amazônica.


Até o fim do mês, será fundeada a primeira de três boias meteoceanográficas da MessenOcean, cujos sensores vão alimentar o sistema com dados de correntes, altura de maré e densidade da água, durante todos os dias da semana. O desenho hidrodinâmico dos equipamentos foi adaptado para a realidade do maior estuário amazônico, para evitar que saiam da posição. A iniciativa conta com o apoio técnico da Argonáutica, empresa que nasceu na USP e desenvolveu o calado dinâmico no Porto de Santos, e do Laboratório de Dinâmica de Sedimentos Coesivos da UFRJ. Todas as informações coletadas pelas boias serão compartilhadas via satélite com a Marinha, responsável por autorizar o calado máximo na região.

Além do governo federal, o projeto favorece o agronegócio, que exporta pelo chamado Arco Norte, e os estados do Pará, Amapá e Amazonas, que se beneficiam do aumento da arrecadação de impostos por embarcação e do potencial para atrair novos terminais portuários, indústrias e gerar empregos.

– Esse conjunto de boias vai trazer mais previsibilidade para o carregamento das embarcações e é a base para implementação do sistema de calado dinâmico. É mais uma contribuição da praticagem para a segurança do tráfego aquaviário e a eficiência das operações portuárias – afirmou o presidente da Unipilot, Adonis dos Santos.

A ideia do calado dinâmico começou em 2017, quando a praticagem fez um estudo técnico e instalou um marégrafo no Canal Grande do Curuá, cujas informações são compartilhadas com a Marinha e a UFRJ, parceira na análise das marés. As três boias meteoceanográficas vão tornar as previsões mais precisas. A expectativa é aumentar o calado das embarcações dos 11,90 metros (autorizado em fase de testes) para 12,50 metros em certas janelas de maré: um ganho de dez mil toneladas por navio Panamax que beneficiará toda a área de abrangência comercial dos portos da Bacia Amazônica.

Outra ação da praticagem fundamental para o sucesso do projeto é a sondagem regular das profundidades dos rios da região, realizada há mais de dez anos, especialmente no Canal Grande do Curuá, que fica a 70 milhas da barra norte. Isso porque, na Amazônia, bancos de areia se movimentam constantemente sob as águas, alterando os canais de navegação. Esses investimentos até o momento em batimetria e estudo das marés contribuíram para a Marinha aumentar o calado de 11,50 metros, em 2017, para os 11,90 metros atuais (ganho de mais de US$ 1 milhão de carga por navio).

O comandante do 4º Distrito Naval, vice-almirante Edgar Luiz Siqueira Barbosa, disse que a expectativa é ampliar ainda mais o calado com a implementação do sistema na barra norte:

– É uma área muito complexa, com muitas variáveis de maré e vento por exemplo. Esse empreendimento vai permitir fazer o levantamento desses dados e ter confiabilidade no calado dinâmico, justamente no local onde temos menor profundidade. Esperamos, no futuro, aumentar o calado permitido de navegação dos navios e ter embarcações com maior carregamento e faturamento, tornando mais atrativo o escoamento da safra pelo Arco Norte. 

Cresce o escoamento pela Bacia Amazônica

Na Amazônia, trafegam cerca de 1.300 embarcações por ano, sendo quase metade transportando carga do agronegócio. A progressão do calado é crucial para o escoamento da crescente produção. O Mato Grosso, principal produtor, responde por 72 milhões de toneladas de grãos e a estimativa é alcançar 120 milhões em 2030, sendo que dez anos depois 60 milhões serão exportados pelo Arco Norte, segundo o Movimento Pró-Logística de Mato Grosso.

A carga do Centro-Oeste chega em barcaças pelo Rio Madeira até Itacoatiara (AM) e pelo Rio Tapajós até Santarém (PA). Nos portos, é transferida para os navios que descem o Rio Amazonas.

Em 2020, a pavimentação da BR-163 até os terminais onde as barcaças são carregadas, no Rio Tapajós, reduziu em 30% os custos de frete, puxando uma redução no país de 11%, de acordo com o Ministério da Infraestrutura. No mesmo ano, o Arco Norte igualou a movimentação de soja e milho com o Porto de Santos, com 31,9% ou 42,3 milhões de toneladas do total embarcado no Brasil, o dobro de 2009, quando foram movimentadas 7,2 milhões de toneladas. A informação é da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Praticagem abre caminhos para a exportação

Os práticos da ZP-1 atuam na maior zona de praticagem do mundo. São 1.416 milhas náuticas (ou 2.622 km) de navegação e manobras nos rios da Amazônia, na área compreendida entre a foz do Rio Amazonas e a cidade de Itacoatiara (AM), atravessando três estados (Amapá, Pará e Amazonas). Isso exige um uso muito intensivo de práticos, um elevado custo de deslocamento interno para atendimento e milhões em investimentos para garantir a movimentação com segurança e eficiência.

Além da checagem rotineira do leito dos rios e da análise das marés, a praticagem passou a estudar rotas alternativas a caminhos que antes limitavam a navegação, como era o caso do Canal do Mazagão, a 13 milhas de Fazendinha (AP), sentido Itacoatiara (AM). A expertise dos práticos contribuiu ainda para ultrapassar limites operacionais de curvas muito apertadas nos rios Jari e Trombetas, com embarcações até 50% maiores.

Já no Rio Trombetas, após o balizamento noturno, a praticagem fez um esforço grande para ajustar a sinalização e treinar manobras à noite. Outro porto que poderá operar 24 horas com balizamento noturno e rebocadores adequados é Santana (AP), graças à participação dos práticos em simulações no Tanque de Provas Numérico da Universidade de São Paulo (TPN-USP). O trabalho também confirmou a possibilidade de entrada de navios New Panamax no Amapá, com dois porões a mais de carga e capacidade de até cem mil toneladas. A travessia da barra norte com navios mais carregados é o próximo gargalo a superar.

Fonte: Assessoria Praticagem

 


OPERANTAR 40ª OPERAÇÃO ANTÁRTICA - parte 4

08:10

 
.......................................................................................

RESULTADO DA ENQUETE DO SELO COMEMORATIVO 40 ANOS PROANTAR

A enquete disponibilizada entre os dias 09 e 20 de novembro, para a escolha do Selo Comemorativo dos 40 anos do PROANTAR, contabilizou quase 3 mil votos, sendo a opção número 1 a grande vencedora, com 51,3% dos votos.




OPERANTAR 40ª OPERAÇÃO ANTÁRTICA - parte 2

08:01

Clique aqui para acompanhar.


 Aqui você poderá acompanhar o trajeto dos Navios da Marinha do Brasil desde o suspender do navio do Rio de Janeiro até sua chegada na Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF).

.....................................................................................................

OPERANTAR: 40ª OPERAÇÃO ANTÁRTICA - parte 1

07:52

ENTENDA A OPERANTAR

A Operação Antártica (OPERANTAR) é uma das mais complexas e extensas operações realizadas, anualmente, pela Marinha do Brasil, e envolve um planejamento minucioso, para garantir a presença do país no continente gelado, por meio do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). O planejamento das operações começa no ano anterior com o processo de seleção dos projetos de pesquisa, que envolve análise quanto ao mérito científico, impacto ambiental, disponibilidade financeira e meios para coleta de dados na região austral.


Além de uma série de informações e dados importantes para o Brasil que são coletados na Antártica, as pesquisas garantem a permanência do País como membro consultivo do Tratado da Antártica com direito a voz e voto nas decisões sobre o destino do continente. Desde a primeira expedição do Brasil à Antártica, no verão de 1982-83, até os dias de hoje, o PROANTAR tem contribuído intensamente para o desenvolvimento da ciência antártica. A Marinha do Brasil é parte importante deste processo, uma vez que coordena todas as atividades logísticas na região.

A OPERANTAR XL teve início no dia 06 de outubro, com o embarque de todos os participantes a bordo do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel, para o cumprimento da quarentena, e se estenderá até 13 de abril de 2022, com o retorno dos navios para o Brasil. O navio desatracou do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro no dia 13 de outubro.


Em 14 de novembro, o Navio Polar Almirante Maximiano também suspendeu do Rio de Janeiro com destino à Antártica, após concluir com sucesso o seu Período de Manutenção Geral e cumprir os protocolo adicionais de segurança estabelecidos para evitar a disseminação da COVID-19 no Continente Branco.

Velas Latinoamerica 2022

07:17

O evento Velas Latinoamerica ocorre a cada quatro anos, desde 2010, tendo seus objetivos e formato aprovados pelos Comandantes da Marinha na Conferência Naval Americana de 2012. Trata-se de uma reunião de grandes veleiros das Marinhas Amigas que navegam pela América Latina com o objetivo de fortalecer os laços de amizade entre as instituições e as futuras gerações de oficiais e tripulações, além de divulgar a cultura de cada um dos países participantes durante a estadia nos portos de escala. A organização do evento é rotativa entre os países participantes e, na presente edição, estará a cargo da Marinha do Brasil, através do Comitê Executivo Velas Latinoamerica 2022. Particularmente, para o Brasil, o ano de 2022 tem especial significado, pois comemoraremos 200 anos da Independência do Brasil. Na atual edição, a estadia no porto do Rio de Janeiro dará início ao evento e está prevista para ocorrer no período de 13 a 20 de fevereiro de 2022.



Fonte: Marinha do Brasil


Tribunal Marítimo recebe visita da Autoridade Portuária do Rio de Janeiro

06:47


Legenda: Da esquerda para a direita: Vice-Almirante (Refº) Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira (Presidente da CDRJ), Vice-Almirante (RM1) Wilson Pereira de Lima Filho (Presidente do TM) e Sr. Mário Povia (Diretor de Gestão Portuária da CDRJ).

No dia 02 de fevereiro o Tribunal Marítimo recebeu a visita do Presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro, Vice-Almirante (Refº) Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, Autoridade Portuária do Rio de Janeiro, acompanhado do Diretor de Gestão Portuária dessa Companhia, Sr. Mário Povia.

Na ocasião o Presidente do TM, Vice-Almirante (RM1) Wilson Pereira de Lima Filho, ministrou uma palestra sobre o Tribunal Marítimo, com o objetivo de estreitar os laços e compartilhar conhecimentos entre as duas importantes instituições ligadas à maritimidade do país. Durante a reunião, integrantes da Corte Marítima conheceram um pouco das atividades, bem como o momento promissor que vive o Porto do Rio de Janeiro. Da mesma forma, o Presidente teceu comentários sobre a jurisdição do TM, que abrange trabalhadores portuários e outras pessoas físicas ou jurídicas relacionadas com acidentes envolvendo o binômio porto x navio.


Segurança do Tráfego Aquaviário: preocupação constante da Autoridade Marítima Brasileira

05:08

Como Autoridade Marítima Brasileira (AMB), cabe à Marinha do Brasil (MB) orientar e fiscalizar o tráfego aquaviário, por meio das suas Capitanias, Delegacias e Agências distribuídas por todo o Brasil. Antes de sair para navegar, é importante que os tripulantes e passageiros estejam atentos às regras e aos procedimentos estipulados nas Normas da Autoridade Marítima (NORMAM), que podem ser consultadas por meio do site da Diretoria de Portos e Costas (www.marinha.mil.br/dpc), no link “Normas e Legislações”.

O documento da embarcação deve estar em dia e a bordo. O condutor precisa portar a sua habilitação e não pode fazer uso de bebida alcoólica. Os extintores de incêndio têm que estar dentro do prazo de validade e em local de fácil acesso. Toda embarcação deve possuir material de salvatagem, tais como coletes e boias de acordo com a dotação da embarcação. Estas são algumas recomendações a serem seguidas pelos condutores de embarcações que podem ser verificadas, também, pelos passageiros.

Para fiscalizar o cumprimento e os requisitos estabelecidos nas normas vigentes e a fim de evitar acidentes náuticos, ações de Inspeção Naval são realizadas rotineiramente, com vistorias eventuais ou periódicas.

Em Brasília, por exemplo, o Capitão dos Portos de Brasília, Capitão de Fragata Gúbio de Oliveira, afirma que “a Capitania Fluvial de Brasília realiza inspeções no Lago Paranoá e em toda a sua área de jurisdição, durante os finais de semana e em dias aleatórios, inclusive nos feriados. Temos equipes de prontidão 24 horas por dia para qualquer eventualidade que possa ocorrer.”

É preciso respeitar a lotação máxima de passageiros. Motos aquáticas não são homologadas para trafegarem no período noturno, assim como outras embarcações miúdas. “Conhecer bem a sua área de navegação e não navegar próximo das áreas destinadas aos banhistas são recomendações constantes feitas pelos nossos militares”, complementa o Comandante Gúbio.

“No caso das inspeções, elas são realizadas em duas etapas. Na primeira etapa, verificam-se os documentos, tanto do condutor quanto da embarcação. Nesta etapa detectamos se o cidadão está habilitado. Em um segundo momento, é verificado se a embarcação possui todos os equipamentos de salvatagem preconizados, ou seja, coletes, boias e luzes de navegação e se está de acordo com a lotação máxima estipulada em documento”, afirmou o Comandante Gúbio.

O representante da Autoridade Marítima de determinada localidade poderá, “mediante procedimento administrativo, apreender o certificado de habilitação e a embarcação, retirar a embarcação do tráfego ou impedir a sua saída, aplicar multas, suspender o certificado de habilitação por até 12 meses ou até mesmo cancelá-lo, se for o caso”, complementou.

Em Brasília, a CFB tem o propósito de contribuir para a orientação, coordenação e o controle das atividades de esporte e recreio, no que se refere à salvaguarda da vida humana no mar, à segurança da navegação e à prevenção da poluição hídrica concernente às embarcações.

Ao Governo do Distrito Federal compete estabelecer as áreas de uso do espelho d'água do Lago Paranoá, definindo os locais e as atividades permitidas. O Plano de Gerenciamento Costeiro atribui aos municípios a responsabilidade de sinalizar os espaços marítimos, fluviais e lacustres, de modo a tornar seguro o seu uso compartilhado por embarcações e banhistas. Nesta questão, a Autoridade Marítima Brasileira assessora no que for preciso.

Os militares da capitania, prezando pela salvaguarda da vida humana, quando em ações de inspeção naval orientam banhistas e praticantes de esportes, quando encontram-se fora da área prioritária para banho.

Acidentes e Fatos da Navegação

Em caso de acidentes da navegação, os procedimentos a serem adotados também estão regidos em Norma da Autoridade Marítima (NORMAM-09), que determina a instauração de inquérito sobre o ocorrido.

Segundo levantamento da Marinha do Brasil, as infrações que mais chamam a atenção durante as ações de fiscalização são: falta de habilitação dos condutores; documentação da embarcação incompleta ou vencida; falta de material de salvatagem (coletes, boias, extintores de incêndio entre outros); desrespeito ao limite de lotação da embarcação, consumo de bebida alcoólica durante a condução, e más condições de navegabilidade das embarcações.

A Marinha do Brasil reforça seu compromisso de zelar pela salvaguarda da vida humana e a segurança da navegação, nas águas jurisdicionais brasileiras, e a prevenir a poluição hídrica oriunda de embarcações e relembra que existe um telefone disponível, ininterruptamente, para atender a emergências marítimas e fluviais: 185.

Fonte: Agência Marinha de Notícias