Praticagem do Brasil doa R$ 10,2 milhões contra a Covid-19 em todo o país

12:01


Serviço essencial por lei federal, a praticagem é a primeira a embarcar em navios que chegam de diversas partes do mundo. Mesmo diante do risco de contaminação por coronavírus a bordo, práticos seguem recomendações da Anvisa e continuam cumprindo a missão de conduzir embarcações sem acidentes na entrada e saída dos portos, pois o transporte marítimo não pode parar. A atividade portuária é fundamental para a economia e o abastecimento da população, sendo responsável por 95% das cargas importadas e exportadas pelo país, de equipamentos hospitalares e medicamentos a alimentos, combustíveis e a soja do agronegócio.

A praticagem, no entanto, também vem fazendo a sua parte para amenizar os efeitos da pandemia da Covid-19 e ajudar o Brasil a sair logo da crise. Seja por iniciativa individual dos 635 práticos brasileiros ou das empresas de praticagem das quais são sócios, já foram doados R$ 10,2 milhões beneficiando mais de 40 instituições e áreas carentes em 18 estados onde a atividade presta serviço.

Entre os itens doados estão: 11 leitos de UTI; dezenas de equipamentos hospitalares, incluindo respiradores; 500 mil equipamentos de proteção individual (EPIs); milhares de litros de álcool em gel; e seis mil cestas básicas.

Em Vitória (ES), por exemplo, a praticagem contribuiu para viabilizar dez leitos de UTI na Santa Casa. O Hospital Regional de Santarém (PA) recebeu um aparelho de raios X transportável. Já o Hospital Naval de Recife (PE) ganhou um sistema de vácuo para aspirar secreções respiratórias.


Em Rio Grande (RS), foram doados 1.700 macacões para enfermeiros e médicos do Hospital Universitário. No município de Itacoatiara (AM), o diretor do Hospital Regional José Mendes agradeceu a doação de 15 mil pares de luvas, 50 litros de álcool em gel, mil toucas descartáveis e mil máscaras.


– Somos polo de assistência do Médio Amazonas e recebemos pacientes de vários municípios, até de Manaus (distante quatro horas). Agradeço muitíssimo a parceria. A palavra neste momento é cooperação e estamos buscando qualquer apoio possível.


Além das ações de solidariedade das empresas de praticagem e de seus práticos, o Conselho Nacional de Praticagem (Conapra) incentivou e arrecadou doações entre os profissionais que atuam nas 21 zonas de praticagem brasileiras.


– A praticagem é uma atividade privada e acredita que todos que podem devem fazer a sua parte. Sempre apoiamos a comunidade local e não poderíamos faltar nesta situação. A responsabilidade com a sociedade é nossa missão. Apesar do risco de contaminação, continuamos embarcando protegidos com EPIs para conduzir os navios sem acidentes na chegada e saída dos portos. Dessa forma, protegemos o meio ambiente e a população da poluição nos mares e rios, ao mesmo tempo em que garantimos o funcionamento da economia e o abastecimento por meio do transporte marítimo – diz o presidente do Conapra, prático Ricardo Falcão.

Veja algumas instituições beneficiadas

Hospital Regional de Itacoatiara (AM): 15 mil pares de luvas, 50 litros de álcool em gel, 1000 toucas e 1000 máscaras.
Hospital Estadual de Santana / Hospital de Emergência do Amapá / Unidade Básica de Saúde Lélio Silva / Posto de Atendimento Infantil de Macapá / Instituto de Administração Penal do Amapá / Corpo de Bombeiros / Polícia Militar (AP): 24 mil toucas, 300 aventais, 150 litros de álcool gel, 100 máscaras N95, 48 mil pares de luvas de procedimento.
Hospital Regional de Santarém (PA): aparelho de raios X transportável e unidade digitalizadora.
Associação Anjo Rafael (CE): Distribuição de cestas básicas e quentinhas.
Hospital Naval de Recife (PE): sistema de vácuo para aspirar secreções respiratórias.
SAMU (PE): 500 macacões doados.
Sindicato dos Estivadores nos Portos de Pernambuco (PE): 232 cestas básicas mensais por três meses.
Obras Sociais Irmã Dulce (BA): doação para compra de material para unidades de saúde do Complexo Roma.
Hospital das Clínicas (BA): aquisição de máquina para confeccionar máscaras cirúrgicas, EPIs e material para equipar ambulatórios e UTI.
Hospital Naval de Salvador (BA): aquisição de material para equipar UTIs.
Santa Casa de Vitória (ES): viabilização de dez leitos de UTI.
Fundo Social de Solidariedade de Santos (SP): produção de cinco mil máscaras para famílias em vulnerabilidade social.
Hospital de campanha em São Francisco do Sul (SC): doações para montagem da unidade, como colchões e travesseiros hospitalares, suportes de soro e mesas.
Hospital Universitário de Rio Grande (RS): 1.700 macacões para enfermeiros e médicos.
Policlínica Naval de Rio Grande (RS): doação em espécie.
Santa Casa de Rio Grande (RS): 10 mil máscaras e 800 máscaras N95.
Sobre a praticagem

A praticagem é o serviço que conduz os navios na entrada e saída dos portos. O trabalho é realizado a bordo pelo prático, profissional com conhecimento local e específico de manobras em áreas restritas à navegação. O objetivo é evitar acidentes que podem causar grave poluição ambiental, mortes e danos ao patrimônio público e privado, além interromper o funcionamento portuário, prejudicando o abastecimento e a economia. Devido à sua importância, o serviço é considerado essencial por lei federal, devendo estar disponível 24 horas aos donos dos navios (armadores), durante todos os dias do ano. No Brasil, existem 21 zonas de praticagem obrigatórias, estabelecidas pela Marinha. Em cada uma dessas áreas, os práticos estão organizados em empresas e existe uma escala de rodízio única de trabalho. Os profissionais são selecionados em processo seletivo público realizado também pela Marinha.

Fonte: Conselho Nacional de Praticagem _ CONAPRA

Navio de Assistência Hospitalar “Tenente Maximiano” presta atendimento emergencial a ribeirinho

18:16


A equipe médica do Navio de Assistência Hospitalar “Tenente Maximiano”, subordinado ao Comando da Flotilha de Mato Grosso, prestou atendimento emergencial na região do Porto Formigueiro, a 50 quilômetros do município de Corumbá-MS, no dia 12 de maio.

O navio foi acionado por um casal de idosos quando regressava de uma ação realizada durante uma semana em prol das famílias ribeirinhas do Baixo Pantanal.




O atendimento foi prestado a um homem que caiu de uma árvore dois dias antes, no dia 10 de maio. Ele apresentava hematoma no olho esquerdo e queixava-se de fortes dores na cabeça e na nuca.

Após exames e procedimentos emergenciais no local, verificou-se suspeita de hemorragia interna e fratura do esterno. A evacuação médica encerrou-se com o encaminhamento do paciente à Santa Casa de Corumbá.

Comando do 6º Distrito Naval apoia Operação “Verde Brasil 2”

12:25

Aeronave está apoiando ações do Comando Conjunto Barão de Melgaço
 
O Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN) está apoiando, por meio do 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Oeste (EsqdHU-61), a Operação “Verde Brasil 2”. Uma aeronave UH-12 deslocou-se, no dia 10 de maio, até Cuiabá, para prestar apoio ao Comando Conjunto Barão de Melgaço, que atua em Mato Grosso.
 
A operação teve início no dia 11 de maio e visa o combate ao desmatamento ilegal e focos de incêndio na região amazônica, por meio de ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais.
 
A autorização para emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem e para ações subsidiárias vai de 11 de maio a 10 de junho. As ações vão ocorrer na faixa de fronteira, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas federais nos estados da Amazônia Legal.
 
Os meios utilizados pelas Forças Armadas são acrescidos aos dos demais integrantes parceiros da missão: Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Ibama, ICMbio, Fundo Nacional de Segurança Pública, Abin e Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia. O início das atividades envolve deslocamento de pessoal, reconhecimento das áreas de atuação, preparação dos meios e materiais necessários e ações efetivas de combate ao desmatamento.

Fonte; Marinha do Brasil

Capitania dos Portos da Amazônia Oriental atua no combate ao novo coronavírus, em Belém-PA

05:52

Equipe de inspeção naval distribui material informativo
 sobre medidas para evitar a Covid-19
 
Militares da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental (CPAOR) realizaram, no dia 5 de maio, em Belém-PA, orientações práticas sobre as medidas preventivas de segurança e combate ao novo coronavírus por meio de ações de conscientização e entrega de panfletos. A atividade teve como propósito levar informações de utilidade pública para prevenir e evitar o avanço da pandemia na Região Metropolitana da capital paraense e nas comunidades ribeirinhas.
 
O evento ocorreu em aproveitamento de inspeções navais, no Porto Foca, onde tripulantes e passageiros de embarcações também foram instruídos sobre a importância da segurança da navegação, salvaguarda da vida humana nas águas e o combate ao acidente de escalpelamento, estimulando a edificação da mentalidade fluvial voltada para a segurança das embarcações, de seus tripulantes e passageiros.
 
Em embarcação, militar da Capitania orienta passageiros

Fonte: Marinha do Brasil

Praticagem do Espírito Santo resgata do mar tripulantes de plataforma

10:49



A Praticagem do Espírito Santo salvou três tripulantes que caíram no mar durante a desatracação da plataforma SSV Victoria do Estaleiro Jurong Aracruz, no dia 29 de abril.

Quando a plataforma estava para vencer o quebra-mar, quatro tripulantes que deram apoio à operação de amarração desceram à base para buscar material de marinharia. Nesse momento, uma onda varreu o flutuante jogando três deles na água.

Em poucos minutos, a tripulação da lancha de prático recolheu os homens do mar. Eles foram levados de volta ao estaleiro, já que o reembarque era arriscado e não cabia à praticagem.

– Nosso treinamento funcionou muito bem. Todos foram recolhidos sem atropelo e confusão – disse o secretário executivo da Praticagem do Espírito Santo, Gilson Victorino.

Apesar de a atitude ser um dever de todo homem do mar, os tripulantes da lancha receberão uma menção honrosa da entidade.






Fonte: maio de 2020/por Conapra

Praticagem da Barra do Rio Grande colabora com a soltura de pinguns reabilitados a três milhas náuticas da costa

11:00


O Centro de Recuperação de Animais Marinhos (CRAM-FURG) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) realizou nesta quarta-feira, 29, mais uma soltura de pinguins reabilitados, em Rio Grande, na costa gaúcha. Foram seis pinguins reabilitados.



Esses animais migram anualmente para o litoral nos meses de outono/inverno. Os animais foram encontrados entre o Parque Nacional da Lagoa do Peixe e a Barra do Chuí e estavam situação de vulnerabilidade: magros, fraco ou com troca de penas.

A soltura ocorreu com o apoio da Praticagem da Barra do Rio Grande, que cedeu as embarcações para que a equipe do CRAM-FURG pudesse chegar a três milhas náuticas da costa, local em que os animais puderam partir para encontrar outros de sua espécie que estão em processo de migração, para assim conseguirem concluir seu ciclo natural.

Fonte: Praticagem da Barra do Rio Grande
Fotos Guga Volks

Vice-Almirante Cursino assume Diretoria de Portos e Costas (DPC)

14:03



O Vice-Almirante Alexandre Cursino de Oliveira é o novo diretor da Diretoria de Portos e Costas (DPC). Cursino tem uma longa carreira na Marinha do Brasil, que teve início em 1987 como guarda-marinha.

O Vice-Almirante é Mestre em Ciências Navais (Escola de Guerra Naval - 2004) e Bacharel em Ciências Navais (Escola Naval - 1987)

O presidente da República Jair Messias promoveu o, então contra-almirante Alexandre Cursino de Oliveira, como Vice-Almirante e também o nomeou como novo diretor da DPC. A nomeação foi publicada no Diário Oficial, edição de 16 de março, para validação a partir de 31 de março de 2020.



Devido a pandemia da Covid-19 (Coronavírus) não foi realizada a cerimônia de transmissão de cargo, que foi realizada no dia 17 de abril.




Tribunal Marítimo realiza primeira sessão de julgamento por videoconferência

12:02

Transmissão da primeira Sessão de Julgamento por videoconferência no canal do Tribunal Marítimo no YouTube
Primeira Sessão de Julgamento por videoconferência do Tribunal Marítimo.

No dia 22 de abril, o Tribunal Marítimo (TM) realizou a primeira Sessão de Julgamento por videoconferência em seus 85 anos de história. A iniciativa tem o objetivo de dar continuidade aos julgamentos enquanto perdurar o estado de emergência pelo COVID-19.

Na abertura, o Juiz-Presidente do Tribunal Marítimo, Vice-Almirante Wilson Pereira de Lima Filho prestou homenagem ao Ex-Diretor-Geral da Secretaria do TM, Dr. Manoel Machado dos Anjos, falecido no último dia 17 vítima do COVID-19, o qual exerceu com maestria sua função no TM no período de 04 de julho de 1991 a 15 de agosto de 2014.

A realização dos julgamentos por videoconferência foi estabelecido pela Portaria Nº 20, de 08 de abril de 2020 e a convocação de novas Sessões se dará a critério do Juiz-Presidente e será garantido pleno acesso e participação ao Representante da Procuradoria Especial da Marinha e aos advogados das partes. A publicidade da sessão está garantida por sua transmissão ao vivo pelo canal do TM no Youtube.

Aos advogados será garantido o acesso ao ambiente virtual de transmissão para, remotamente, fazerem uso da palavra para a sustentação oral e para esclarecerem eventuais questões de fato. O patrono que tiver interesse deverá cumprir os requisitos do documento, entre eles se inscrever mediante envio de formulário anexo à Portaria, disponibilizado no sítio eletrônico do TM no endereço www.marinha.mil.br/tm. Também haverá uma sala no TM com infraestrutura para sustentação oral por videoconferência.

Fonte: Tribunal Marítimo

22 de abril - Dia da Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha

11:39




22 de abril - Dia da Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha


Soberania pela Ciência! Inspirados pelo lema, pesquisadores e instituições científicas da Marinha contribuem para o desenvolvimento tecnológico nacional construindo a Força Naval do amanhã: Avançada, dinâmica e atuante.



“O desenvolvimento científico e tecnológico está intimamente ligado com a prosperidade do País e o principal objetivo é investir no potencial humano", Almirante Álvaro Alberto, Patrono da CT&I da Marinha do Brasil.

 Fonte: Marinha do Brasil

Praticagem quer segurança para evitar propagação do vírus

14:39

Os práticos diariamente estão expostos aos riscos de contágio com tripulantes de navios que atracam e desatracam nos portos de Santos e São Sebastião. Mesmo com toda proteção e tomando os cuidados necessários, eles temem ser vetores da transmissão do Covid





Chuva, vento, marés altas e outras condições adversas fazem parte dos desafios enfrentados diuturnamente pelos práticos para realizar as manobras dos navios nos portos de Santos e São Sebastião. Nos últimos tempos, há um novo e perigoso inimigo invisível: o Covid-19. E a ameaça ficou mais evidente com as constantes manobras dos navios de cruzeiro que foram recebidos humanitariamente no porto santista, com tripulantes e passageiros contaminados pelo vírus. Só o Costa Fascinosa, que está em quarentena, já foi manobrado quatro vezes.
Os práticos fazem cerca de 32 manobras diárias em Santos. Eles são os primeiros a entrar em embarcações que chegam de diversos locais do mundo e, mesmo com todos os equipamentos de proteção e cuidados, sabem que correm o risco de contaminação pelo covid-19 e a possiblidade de se transformarem em vetores da doença.
Serviço essencial por lei, a Praticagem do Brasil continua cumprindo a missão de conduzir embarcações com segurança, mesmo quando há casos suspeitos da Covid-19 no navio em que embarcam. Seguindo as recomendações do governo para que o transporte marítimo não pare e mantenha o abastecimento, nem sempre é possível seguir as regras básicas de prevenção, pois muitas situações estão fora do controle dos Práticos.”
O afastamento de, pelo menos, dois metros entre práticos e tripulantes de navios estrangeiros é uma regra difícil de ser cumprida, segundo o presidente da Praticagem de São Paulo, Carlos Alberto de Souza Filho. O tema é sério e será levado pelo Conselho Nacional de Praticagem à Comissão Nacional das Autoridades dos Portos (Conaportos).
Souza Filho explica que manter distância de comandantes e da tripulação é inexequível. Como responsáveis por orientar os oficiais dos navios nas manobras de atracação e desatracação, eles utilizam áreas comuns dos navios, como escadas, elevadores e equipamentos, sendo os primeiros a terem contato com as tripulações estrangeiras. “A proximidade com comandantes e alguns tripulantes é frequente”, ele garante.
Em março, a Praticagem solicitou à Anvisa a mudança do protocolo para entrada em navios com casos suspeitos a bordo. Esse documento, chamado de livre prática, libera a possibilidade para que o navio possa entrar ou sair, operar carga, receber e desembarcar passageiros. A solicitação era para que o navio ficasse em um fundeadouro até que os técnicos da Anvisa subissem a bordo para verificar as condições sanitárias.
A situação, segundo o Presidente da Praticagem, não mudou: “A Anvisa se recusa a entrar a bordo para conceder ou não a livre prática, como determina o regulamento internacional. “Nesse momento, todo e qualquer navio apresenta um nível de risco, mas o QUE acontece hoje em dia é uma guerra de papel. O comandante alega que não tem problema nenhum e atraca, para evitar problemas com os armadores ou que seu navio entre em quarentena, e quinze minutos depois diz que tem alguém com sintomas. Mesmo com tripulantes doentes, a Anvisa dá a livre prática e nós temos que ir lá e fazer a manobra”.
Cuidados
A Praticagem intensificou e especificou procedimentos com todo o pessoal e instalações. Na Ponte, as lanchas estão sendo higienizadas com uma solução em spray de água sanitária e água, em cada saída e em cada volta.  Nas manobras, os práticos embarcam com luvas de látex e máscaras. Nos navios em que há suspeita ou confirmação de Covid 19, em passageiros ou tripulantes, os práticos usam a roupa completa de proteção.
A segurança a bordo é relativa, como explica Souza Filho: “Em relação aos navios de passageiros, alguns não têm nenhuma informação de pessoas infectadas e outros têm. Os navios ficam fundeados lá fora em quarentena, mas várias pessoas já saíram para o hospital e há muitos ainda infectados a bordo em tratamento. Cada vez que o navio atraca para trazer tripulantes para tratamento, para abastecer ou buscar alimentos, os práticos são chamados para as manobras”.
Esses navios entram e atracam para abastecimento de gêneros e desembarque de tripulantes que estão tentando voltar para seus países de origem, quando isso é permitido e quando as empresas conseguem passagens. Atualmente, por exemplo, Índia e Filipinas proibiram a entrada até seus nacionais vindos do Exterior.
O Presidente da Praticagem conta que eles embarcam em navios que estão vindo da Itália, Espanha, China e outros países. “O que temos observado é que as empresas de navegação melhoraram muito a preocupação por parte do pessoal de bordo, uma grande parcela está usando máscaras também. Mas muitos não estão usando, o que sempre é um risco”.
Durante as manobras, os práticos levam frasco de álcool gel para as mãos, passam nas luvas e nos equipamentos como o handset do rádio, por exemplo. “Estamos tentando nos proteger”, afirma.
Souza Filho tem conhecimento de que, até o momento, dois práticos, um de Vitória e um de São Luís contraíram a doença, foram internados e já receberam alta. Ao contrário de outras profissões, práticos com mais de 60 anos continuam trabalhando. A Marinha flexibilizou as regras de números mínimos de qualificação para os práticos com mais de 60 anos. Em Santos e São Sebastião, apenas um prático pediu licença.

Fonte : Praticagem de São Paulo

Em tempo de Coronavirus, a praticagem está fretando aviões menores para os práticos conseguirem chegar até as lanchas que os transportam aos navios.

11:56



Para continuar atendendo aos Armadores no Norte do país, a praticagem está fretando aviões menores para os práticos conseguirem chegar até as lanchas que os transportam aos navios. 

Normalmente, esse deslocamento é feito nos grandes voos comerciais, em falta desde o #coronavírus

O Ministério da Infraestrutura já está ciente do problema e em busca de soluções. O presidente da Praticagem do Brasil, Ricardo Falcão, aproveitou videoconferência com o Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, para reforçar o relato.

Fonte: Praticagem do Brasil

COVID 19 - Praticagem do Brasil continua cumprindo com profissionalismo

13:17

Serviço essencial por lei, a Praticagem do Brasil continua cumprindo com profissionalismo a missão de conduzir embarcações sem acidentes em todo o país. Mesmo quando há casos suspeitos da Covid-19 no navio, o prático vai a bordo para garantir a sua movimentação segura, obviamente seguindo todas as recomendações sanitárias da Anvisa para que o transporte marítimo não pare e mantenha o abastecimento da economia e da população.
Exemplo disso ocorreu no porto de Vila do Conde, no Pará, onde se encontra fundeado o petroleiro Falcon Maryan, com tripulantes suspeitos de contraírem a doença. No dia 30, o prático escalado para atracar o navio foi informado, na lancha a caminho do embarque, que havia tripulantes com sintomas do coronavírus. Como a embarcação já estava em direção ao terminal e tinha o certificado da Anvisa, foi autorizada a atracação. Foram, então, adotadas todas as precauções, como o uso de equipamentos de proteção individual; a permanência do prático somete no exterior do passadiço durante a manobra; e, após o desembarque, a descontaminação do prático e da tripulação da lancha de praticagem, que também foi higienizada.
No dia 1º de abril, após o descarregamento e entrevistas da Anvisa, a Agência Marítima responsável escalou o navio para desatracação e novo fundeio, a fim de cumprir quarentena enquanto os exames não ficarem prontos. Mais uma vez, a praticagem foi a bordo e prestou o serviço seguindo os protocolos de saúde das autoridades. O trabalho integrado com a Agência, a Autoridade Portuária, a Anvisa e o Comitê de Crise foi elogiado pela Capitania dos Portos
Fonte: Praticagem do Brasil.

Terminal salineiro de Areia Branca, Rio Grande do Norte.

12:51








Terminal salineiro de Areia Branca, Rio Grande do Norte. Sua localização impõe desafios naturais à praticagem. O regime de marés limita os intervalos para a passagem das embarcações. 

E os ventos, de moderados a muito fortes, influenciam nas manobras dos navios. Do litoral do estado, vem 95% do sal produzido no país.


Fonte; Praticagem do Brasil

Giro na nova bacia de evolução do Porto de Itajaí (SC)

12:39





Giro na nova bacia de evolução do Porto de Itajaí (SC), que vai permitir a entrada de navios de até 350 metros. Com participação da praticagem tanto na definição do local quanto nos estudos e nas simulações realizados, foram concluídas as 12 manobras especiais de entrada e saída na área. 

Dos 17 Práticos que atuam na Zona de Praticagem de Itajaí e Navegantes (ZP 21), 12 fizeram treinamento na Holanda para atender à demanda por embarcações maiores. Os outros cinco foram qualificados durante o acompanhamento das manobras de teste, segundo regras estabelecidas pela Marinha do Brasil.


 

foto: Prático Alexandre Rocha @ Porto de Itajaí
Fonte: Praticagem do Brasil

Tribunal Marítimo ajusta as velas e segue adiante. Todos juntos na luta contra o novo Coronavírus !

13:44

por Almirante Lima Filho -
juiz presidente do Tribunal Marítimo
Neste momento em que enfrentamos um estado de emergência em decorrência do Covid-19, o Tribunal Marítimo (TM) tomou uma série de medidas para evitar o contágio e a sua proliferação. Uma  parte significativa do seu efetivo está em teletrabalho, foram suspensos os prazos processuais, as sessões ordinárias e audiências presenciais. Todas as ações recomendadas pelas autoridades competentes foram implementadas. 


Foi prorrogado o prazo de validade de certificados, como CRA, PRÉ-REB e REB, publicado pela a portaria 17/2020. Com os devidos ajustes, os processos internos estão em andamento, muitas reuniões são realizadas pela internet e a Corte Marítima se prepara para realizar, de forma pioneira, sessões ordinárias por videoconferência. Alinhado com o Comando da Marinha e na esteira  do Poder Judiciário, o TM não parou,  apenas ajustou  as velas e segue trabalhando em prol da justiça e segurança da navegação. Como diz o velho marinheiro, depois da tempestade vem a calmaria. Sigamos juntos, com sabedoria, fé e perseverança! Vai dar tudo certo, é uma questão de tempo!



Fonte: por Almirante Lima Filho - juiz presidente do Tribunal Marítimo (linkedin)


Ricardo Falcão - presidente da Praticagem do Brasil, faz uma mensagem sobre o coronavírus

12:08

"Pessoal, para quem não me conhece, eu sou o prático Ricardo Falcão, presidente do Conselho Nacional de Praticagem. Venho aqui passar uma mensagem extremamente importante em relação ao coronavírus.
Neste momento de crise na saúde, existe uma preocupação natural com o nosso trabalho, inclusive por parte das nossas famílias. Afinal, embarcamos em navios cuja a maioria da tripulação é de estrangeiros, muitos de países com um grande número de pessoas contagiadas. Quero reforçar aqui o espírito público da nossa atividade.
Toda pessoa que estuda para se tornar prático sabe que prestará um serviço essencial ao funcionamento da nossa economia. Tanto que nosso atendimento não pode parar. Deve estar disponível aos armadores 24 horas, nos 365 dias do ano, da mesma forma que um serviço de saúde.
Nosso comércio exterior depende 95% das vias marítimas. E sabemos que o volume de exportações e importações tem forte impacto no crescimento do PIB, ou seja, na produção das riquezas de um país.
Isso tem um reflexo direto na vida das pessoas. Porque, se a atividade econômica vai mal, o lucro das empresas e a renda dos trabalhadores diminui. Todos passam a consumir menos, afetando o comércio e as indústrias. Um dos resultados é o desemprego.
O prático é fundamental para o funcionamento dessa engrenagem. Sem ele, uma embarcação não tem acesso aos nossos portos. São águas que exigem um conhecimento local e específico de manobras que um comandante não tem, já que ele foi treinado para navegar em alto-mar.
Imagine uma usina termelétrica que abastece toda uma região parar por falta de óleo... Ou um porto fechado por causa de um acidente...
Por isso, podem ter certeza que a sociedade vai ter o que espera de cada um de nós: responsabilidade com o país. O medo não vai nos dominar.
Obviamente, estamos adotando todas as recomendações das autoridades para evitar o contágio e a transmissão da doença, até mesmo adiando a nossa presença na escala de serviço se necessário for.
Nesta segunda-feira, também fizemos uma série de sugestões em carta enviada a Anvisa, Ministério da Saúde e Diretoria de Portos e Costas da Marinha do Brasil.
Nela, pedimos que informem às praticagens as escalas da embarcação nos 30 dias que antecedem a sua chegada ao porto; se houve troca de tripulantes no período; se foi negado o certificado de livre prática da Anvisa antes da sua entrada ou atracação no porto; os motivos da recusa; e os detalhes nos casos ligados à suspeita de coronavírus.
Além disso, solicitamos uma inspeção prévia da Anvisa se os tripulantes com quadro da doença não puderem ser mantidos em isolamento ou se for necessário contato do prático com esses tripulantes. Após a inspeção, questionamos ainda se o embarque deve ser realizado e quais cuidados a serem tomados.
A praticagem não pode, não deve e jamais vai parar por sua livre iniciativa. Sabemos o tamanho da nossa importância para cada brasileiro. Obrigado a todos."
Fonte: Assessoria CONAPRA

Tribunal Marítimo realiza sessão extraordinária de transmissão de cargo de juiz militar

07:50



 No dia 10 de março, foi realizada sessão extraordinária de exoneração e posse de Juiz Militar do Tribunal Marítimo. O Capitão de Mar e Guerra (Ref°) Sergio Bezerra de Matos, após 12 anos, transmitiu o cargo para o Capitão de Mar e Guerra (rm1) Attila Halan Coury.
Estiveram presentes o Diretor-Geral de Navegação, Almirante de Esquadra Marcelo Francisco Campos, o Desembargador Federal Alcides Martins Ribeiro Filho, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, o Diretor de Portos e Costas, Vice-Almirante Roberto Gondim Carneiro da Cunha, Vice-Almirante Luiz Augusto Correia, Ex-Presidente do Tribunal Marítimo, o Diretor da Procuradoria Especial da Marinha, Vice-Almirante Domingos Savio Almeida Nogueira, entre outras autoridades civis e militares.
      A cerimônia, repleta de emoção e homenagens em reconhecimento ao excelente serviço prestado pelo Juiz Sergio no período em que julgou com maestria e técnica naquela egrégia Corte Marítima. Já o Juiz Attila, com sua larga experiência na área de segurança da navegação, vem somar profissionalismo e técnica àquela singular Corte do Mar.










 Fonte: Tribunal Marítimo


Navio-Auxiliar “Pará” inicia a Operação “Educação na Hidrovia 2020”

07:14

 
Navio-Auxiliar “Pará” suspende para
operação
 
 
O Navio-Auxiliar “Pará” iniciou, no dia 6 de março, a Operação “Educação na Hidrovia 2020”, que é fruto de uma parceria da Marinha do Brasil com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. O acordo prevê ações de conscientização sobre segurança da navegação nas hidrovias, prevenção contra o vandalismo na sinalização náutica e a realização de programas de educação ambiental. O navio passará pelos municípios de Porto de Moz, Santarém, Alter do Chão, Monte Alegre, Almeirim, Gurupá e Breves-PA.
 
Durante a operação, também serão realizadas ações cívico-sociais a bordo do navio, por meio de atendimentos de clínica médica, odontológicos, exames laboratoriais, mamografias, exames de ultrassom, distribuição de medicamentos e distribuição de livros por conta do Programa “Maré do Saber”, que foi criado pelo Comando do 4° Distrito Naval em conjunto com a Sociedade Amigos da Marinha Pará com a intenção de estimular a leitura e contribuir com a educação dos estudantes do interior do estado.
 
Para aumentar a abrangência das ações, outros órgãos públicos das esferas federal, estadual e municipal foram convidados a participar da operação. Entre eles estão: Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Pará; Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; Polícia Federal; Tribunal de Justiça do Estado do Pará; Universidade Federal do Pará; Fundação Cultural do Pará e a ONG “Américas Amigas”.

Fonte: Marinha do Brasil

Helicóptero da Marinha faz resgate de um dos tripulantes da equipe de salvatagem do Navio Stellar Banner

07:00


CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
 DA MARINHA  - NOTA À IMPRENSA

 Brasília - DF. Em 07 de março de 2020.


 A Marinha do Brasil (MB) informa que realizou dia 7 de março a 11ª reunião na Capitania dos Portos do Maranhão (CPMA), com representantes da Vale S.A, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Gerência Ambiental do Porto do Itaqui e Agentes Marítimos.

Informações relevantes:

a) Na tarde de ontem, foi avistada uma mancha de óleo no mar pelo OSRV, cuja origem foi identificada, na popa do NM Stellar Banner. Hoje pela manhã, após sobrevoo do helicóptero S76 e monitoramento dos navios na área, a mancha não foi detectada. Foram coletadas amostras da água do mar e dos tanques do Navio para análise. O monitoramento prossegue com navios e helicópteros.


 b) Na tarde deste sábado, foi realizado o resgate de um dos tripulantes da equipe de salvatagem do Navio Stellar Banner, que sofreu um acidente no passadiço. Equipes do Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Iguatemi”, da Polícia Militar (PM-MA) e do Corpo de Bombeiros do Estado do Maranhão (CBMMA), bem como o helicóptero UH-15, do Destacamento Aéreo Naval (DAN) do 2° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral, deslocada da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, participaram da evacuação do profissional, que foi levado ao Hospital São Domingos (MA).
Seu estado é estável.


Pessoal e Meios da Marinha do Brasil

Até o momento, estão sendo empregados 255 militares da Marinha. Estão na cena de ação o Navio de Apoio Oceânico “Iguatemi”, o Navio Hidroceanográfico “Garnier Sampaio”, uma aeronave UH-15 e sete embarcações da Capitania dos Portos do Maranhão.

Além disso, atuam no local do encalhe: seis rebocadores (sendo três dotados com materiais para combate à poluição por óleo); um drone com câmera térmica; um helicóptero S-76C e três embarcações de suporte às atividades de contingência de derramamento de óleo (OSRV). Os órgãos e empresas envolvidos permanecem em estreita coordenação com a Autoridade Marítima, no intuito de solucionar o ocorrido com a brevidade possível, obedecendo normas e procedimentos de segurança, priorizando a mitigação de riscos à poluição e navegação