Energia solar ilumina reserva extrativista na Amazônia

13:52


Realidade começa a mudar na Resex Médio Purus (AM) com a primeira instalação fotovoltaica em uma escola que atende a cerca de 60 alunos. Projeto é parceria entre ICMBio e WWF


A energia elétrica faz parte do dia a dia das pessoas de uma forma tão natural que raramente alguém imagina a vida sem ela. Mas, para quase 40 mil famílias que moram em unidades de conservação (UCs) da Amazônia, ela ainda é um sonho. Um sonho que, aos poucos, vem se tornando realidade com a chegada da energia solar fotovoltaica nas comunidades locais.

Na primeira semana deste mês, a realidade da comunidade Cassianã, na Reserva Extrativista (Resex) Médio Purus, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), nos municípios de Lábrea, Pauiní e Tapauá, no Amazonas, começou a mudar com a primeira instalação fotovoltaica em uma escola que atende a cerca de 60 alunos.

A partir de agora, a escola poderá contar com aulas noturnas e usufruir de outros benefícios, como ventilador nas salas de aula, pesquisas pela internet e iluminação adequada, além de economizar despesas com o combustível usado para gerar energia.

Segundo João Araújo, líder da comunidade, “às vezes, falta inflamável (combustível) e o pessoal fica até três dias sem aulas”. Somente para as aulas noturnas, são necessários em média três litros de combustível para o gerador da escola, o que provoca gasto de R$ 450 por mês.

“O combustível vinha certinho para os dias de aula. Agora, vamos ter mais tempo e luz para pesquisar. Acho que poderemos até ter uma impressora”, disse Francisca Souza, aluna de Ensino Médio.

O barulho do motor também atrapalha muito as aulas. “Só em pensar que agora não vamos mais ter mais esse incômodo, pra gente não tem preço. Tinha noite que faltava voz”, desabafa o professor Cicleude Barroso, de Educação de Jovens e Adultos.

As melhorias são resultado do projeto Resex Produtoras de Energia Limpa, uma parceria entre o ICMBio e o WWF-Brasil que tem o objetivo de instalar seis sistemas fotovoltaicos em duas reservas extrativistas do sul do Amazonas, a Médio Purus e a Ituxi.

Além da instalação do sistema fotovoltaico na escola, o projeto capacitou moradores das duas reservas, eletricistas da prefeitura e estudantes da Universidade Estadual do Amazonas (UEA) para a instalação dos próprios sistemas.

O conteúdo, de 40 horas, abordou os princípios básicos da eletricidade, fontes renováveis e não renováveis, os componentes do sistema solar fotovoltaico autônomo e como planejar e projetar esses sistemas solares, seus conceitos básicos e a gestão comunitária de tecnologias sociais. Ao final da atividade, na própria escola, onde todos treinaram na prática a instalação do sistema, os alunos receberam certificado de participação e festejaram muito quando as luzes da escola se acenderam.

"Esse trabalho é resultado de uma ação conjunta entre ICMBio, o WWF e os próprios moradores. A parceria busca beneficiar a todos, aprimorando a gestão da reserva e propiciando melhores condições de vida e de trabalho para a comunidade por meio do desenvolvimento sustentável", disse Lillian Estrela, analista ambiental da Coordenação de Articulação de Políticas para Comunidades Tradicionais do ICMBio. 

Próximos passos

As instalações continuarão em setembro, com mais uma escola e um sistema de bombeamento de água de rio na Resex Médio Purus. Já na Resex Ituxi, também em Lábrea, serão instalados três sistemas para uso produtivo: bombeamento de água, refrigeração e funcionamento de equipamentos como despolpadeiras de frutas e extração de óleos vegetais.

“Com isso, os extrativistas acreditam que aumentarão a produção, poderão conseguir melhores preços e também terão uma vida comunitária mais dinâmica, fazendo das escolas centros também de cursos de tecnologia à distância e espaços de vivência nos finais de semana”, afirmou a analista de conservação do Programa Clima e Energia do WWF, Alessandra Mathyas.

Além da parceria entre o ICMBIO e o WWF-Brasil, a iniciativa tem o apoio técnico da empresa Usinazul, do Instituto Mamirauá e o apoio institucional da Schneider Eletric, J.A. Solar, UEA e da Prefeitura de Lábrea.

Fonte: Site ICMBIO 
http://www.icmbio.gov.br
registrado em: ,

Comando do 8º Distrito Naval recebeu a visita de um exemplo de superação

07:42

O Núcleo de Assistência Integrada (NAS) do Comando do 8º Distrito Naval promoveu uma palestra sobre a percepção da vida e sua importância. O palestrante contou detalhadamente às 44 horas vivenciadas em uma caverna O professor Maurício Louzada, autor do livro “Pra valer”, contou a inspiradora história de sobrevivência em uma das maiores cavernas do Brasil.

Ele é reconhecido por sua motivação e aprendizagem de vida pessoal e profissional. A experiência vivenciada de 44 horas em uma caverna, fez com que o professor refletisse na vida e encontrasse o equilíbrio do presente e futuro. A palestra aconteceu no dia 17 de julho, no Comando do 8º Distrito Naval, com a participação da tripulação que aprendeu a grande lição de vida de conviver e valorizar as pessoas. O NAS segue uma programação de ciclo de palestras que visa estimular o debate de temas relacionados à qualidade de vida. Militares do COM8DN foram motivados a conquistar o futuro e realizar seus sonhos















Fonte: Comunicação Social do Oitavo Distrito Naval/Site

Comandante da Marinha visita o CGEM

11:53

Da esq. para dir., sentados, o Contra-Almirante Oscar, o Almirante de Esquadra Fernandes, o Almirante de Esquadra Leal Ferreira, Comandante da Marinha junto ao seu Chefe de Gabinete, Vice-Almirante Cunha, na palestra proferida pelo Diretor do CGEM
 
O Centro de Guerra Eletrônica da Marinha (CGEM) recebeu, no dia 18 de julho, o Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, acompanhado pelo Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Sergio Roberto Fernandes dos Santos, pelo Chefe do Gabinete do Comandante da Marinha, Vice-Almirante José Augusto Vieira da Cunha de Menezes e pelo Subchefe de Inteligência Operacional do Comando de Operações Navais, Contra-Almirante Oscar Moreira da Silva Filho.
 
Após assistirem uma apresentação sobre a Guerra Eletrônica na Marinha do Brasil, proferida pelo Diretor do Centro de Guerra Eletrônica da Marinha, Capitão de Mar Guerra Marcelo Alcides Albuquerque da Costa, que destacou as atividades desenvolvidas pelo CGEM, o Comandante da Marinha e sua comitiva percorreram as instalações do Centro de Guerra Eletrônica da Marinha.
 
 
Da esq. para dir., o Contra-Almirante Oscar, o Vice-Almirante Cunha, o Almirante de Esquadra Fernandes, o Capitão de Mar e Guerra Albuquerque, ao lado do Comandante da Marinha, seguidos pelo Capitão de Corveta Paim e do Capitão de Corveta Alessandro Santos, durante a visita às instalações do CGEM
 
 
Guiada pelo Diretor do CGEM, a principal parte da visita ocorreu no Departamento de Operações, onde foi apresentado o trabalho desenvolvido pelo Centro em apoio à guerra eletrônica nos meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais.
 
Na assinatura do Livro do Estabelecimento, o Comandante da Marinha retratou a importância da guerra eletrônica, no cenário militar atual, por meio da seguinte frase: “Vocês são o futuro! Construam-no!”.

Fonte: Marinha do Brasil

CEPE-MB realiza colóquio sobre Energia Nuclear

12:50

O colóquio sobre Energia Nuclear reuniu autoridades da MB e de outras instituições
No dia 13 de julho, foi realizado na EGN um colóquio com o Prof. Dr. Rex Nazaré Alves, sobre o tema: “Energia Nuclear: Ensinamentos do Passado e Perspectivas para o Futuro”. O Prof. Dr. Rex Nazaré Alves, engenheiro nuclear pelo IME e Doutor em física nuclear pela Universidade de Paris (Sorbonne), está exercendo a função de consultor do Presidente da ELETRONUCLEAR. Ao longo de sua apresentação, discorreu sobre fatos históricos do Programa Nuclear Brasileiro e apontou alguns caminhos possíveis para essa importante fonte de energia.

O evento contou com a presença do Alte Esq (Refº) Mauro César Rodrigues Pereira, ex-Ministro da Marinha; do Alte Esq (Refº) Julio Soares de Moura Neto, ex-Comandante da Marinha; do Gen Ex (Refº) Frederico Sodré de Castro; do Presidente do Centro de Estudos Político-Estratégicos da Marinha (CEPE-MB), Alte Esq (Refº-FN) Alvaro Augusto Dias Monteiro; do Presidente da ELETRONUCLEAR, Bruno Campos Barretto; do Presidente da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), João Carlos Tupinambá; do Presidente da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. (NUCLEP), C Alte (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas; do Diretor da EGN, C Alte André Luiz Silva Lima de Santana Mendes; do Assessor-Chefe da Assessoria Especial do Conselho de Defesa Nacional da Casa Militar da Presidência da República, C Alte Noriaki Wada; do Assessor-Chefe do Programa de Submarinos da Marinha, C Alte Luiz Roberto Cavalcanti Valicente e demais autoridades.
O Prof.  Dr.  Rex Nazaré Alves discorreu sobre o Programa Nuclear Brasileiro

Fonte: Marinha do Brasil

Tamar estuda populações de tartarugas-verdes em SC

13:40

Além de colher dados para as ações do Centro, levantamento servirá, também, para subsidiar proposta de criação de parque municipal na região de Penha, no litoral centro-norte do estado
O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Tartarugas Marinhas (Tamar), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), iniciou o levantamento populacional de tartarugas-verdes (Chelonia mydas) na praia do Cascalho, no município de Penha, em Santa Catarina. Pesquisadores do Centro, sediados na base de Florianópolis, já realizam capturas intencionais para o estudo.

A atividade visa, entre outras coisas, estimar a população de tartarugas-verdes que utilizam a região como área de alimentação, abrigo e descanso; avaliar a condição geral dos indivíduos; levantar dados sobre a dieta, fisiologia e comportamento e identificar as ameaças a que estão expostas no local.

Além disso, serão coletadas amostras biológicas dos animais para estudos genéticos, moleculares, hematológicos e bioquímicos. Todas as informações levantadas servirão como base científica para subsidiar e auxiliar na tentativa de se criar um parque municipal na região que teria o objetivo de preservar o ecossistema e biodiversidade locais.

“Este estudo será realizado ao longo de um ano, com saídas mensais à área escolhida e conta com a parceria da Fundação Pró-Tamar e Universidade do Vale do Itajaí¨, disse o analista ambiental Eron Paes e Lima, da Base do Centro Tamar ICMBio em Florianópolis.

Além de Penha, outras áreas estão sendo cogitadas para a realização do monitoramento, uma vez que concentram também um grande número de animais, com diferentes faixas de tamanho, conforme é comprovado em avistamentos e encalhes.

Cascalho é uma das 19 praias do município de Penha, localizado na região centro-norte do litoral catarinense, na bacia do Vale do Itajaí. A região tem clima úmido, com temperatura média de 35o C no verão, chegando à mínima de 8ºC no inverno.
Fonte: site do ICMBIO:
http://www.icmbio.gov.br

NDCC “Garcia D'Avila” participa da 44ª semana de vela em Ilhabela

05:33

NDCC “Garcia D’Avila” entre os veleiros na 44ª semana de vela em Ilhabela
 
O Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Garcia D’Avila” visitou, de 7 a 10 de julho, a cidade de São Sebastião (SP). Na ocasião, o navio foi palco para a largada da Regata de Alcatrazes, abrindo as competições esportivas da 44ª semana de vela em Ilhabela (SP), além de prover apoio logístico e organizacional.
 
O evento contou com as presenças do Prefeito de São Sebastião, Senhor Felipe Augusto, do Comodoro do Yacht Club Ilhabela, Senhor José Yunes, do Capitão dos Portos de São Paulo, Capitão de Mar e Guerra Alberto José Pinheiro de Carvalho, do Chefe do Estado-Maior do Comando do 8º Distrito Naval, Capitão de Mar e Guerra Alexandre Motta de Souza e do Delegado da Capitânia dos Portos em São Sebastião, Capitão de Fragata Luís Antônio Anidio Moreira.
 
No período em que ficou atracado no porto da cidade, o “Garcia D’Avila” foi aberto à visitação pública, onde recebeu aproximadamente 2.200 pessoas, as quais tiveram a oportunidade de conhecer as características, peculiaridades e a sua função operacional anfíbia, bem como os aspectos relevantes da nossa Marinha.
 
Visitação pública ao NDCC “Garcia D'Avila” no porto de São Sebastião

Fonte: Marinha do Brasil

CPRJ realiza operação conjunta para coibir ilícitos na Baía de Guanabara

07:09

Militares da Marinha do Brasil, acompanhados de Agentes do IBAMA, Polícia Federal e de Policiais da PMERJ, em ação conjunta na Baía de Guanabara
A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) participou de uma ação de fiscalização noturna do tráfego aquaviário, no final do primeiro semestre, em conjunto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA), Núcleo Especial de Polícia Marítima (NEPOM), unidade da Polícia Federal; e o Grupamento Marítimo e Fluvial (GMF), unidade da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ); a fim de coibir irregularidades sob o aspecto da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário, bem como de reprimir a pesca predatória, no interior da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.
Durante a ação, uma equipe de Inspetores Navais da CPRJ realizou abordagens a embarcações, sendo aplicadas notificações, assim como o IBAMA autuou uma embarcação e apreendeu sua carga ilegal de cerca de 400 quilos de peixe que, posteriormente, foram doados a entidades carentes de Niterói (RJ).
Como parte do efetivo, foram empregados militares da CPRJ, do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste (GptPatNavSE) e do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro (GptFNRJ), Organizações Militares subordinadas ao Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN), que utilizaram Avisos de Patrulha e lancha de Inspeção Naval.
Fonte: Marinha do Brasil

Chapada assegura título de patrimônio mundial

10:11

Unesco garante reconhecimento à Chapada dos Veadeiros após ampliação da área do parque, feita pelo governo federal há um mês. 


A comunidade internacional assegurou o título de patrimônio mundial à Chapada dos Veadeiros, em Goiás. O Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) afastou o risco que o Brasil corria de perder o título conferido à unidade de conservação (UC). A reação faz parte dos resultados da 41ª sessão do Comitê, que ocorreu em Cracóvia, na Polônia. 
A decisão vem um mês depois do aumento da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, anunciado no início de junho. “Graças ao fundamental processo de ampliação dessa unidade de conservação, conseguimos o reconhecimento do Comitê do Patrimônio Mundial”, ressaltou o diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em UCs do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cláudio Maretti.

AMPLIAÇÃO
O Comitê, órgão decisório da Convenção sobre o Patrimônio Mundial, felicitou o Brasil pela ampliação da unidade. O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi criado em 1961, mas teve sua área reduzida por três vezes. Com isso, corria o risco de perder o título de patrimônio natural da Unesco. No Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, no entanto, a UC foi ampliada de 65 mil hectares para 240 mil hectares, ou seja, quase quatro vezes o seu tamanho atual.
Além de Alto Paraíso, Cavalcante e Colinas do Sul, que já eram abrangidos pelo parque, os novos limites incluem parte dos municípios de Teresina de Goiás, Nova Roma e São João da Aliança. Ao lado do território quilombola Kalunga, da APA estadual do Pouso Alto e de 22 reservas particulares do patrimônio natural (RPPNs), a região forma um vasto mosaico de unidades de conservação. O parque é refúgio de espécies ameaçadas de extinção ou endêmicas (só existem no local), como o cervo-do-Pantanal, lobo-guará, pato-mergulhão e a onça-pintada, maior mamífero carnívoro da América do Sul.
 Fonte: Comunicação ICMBio

17 de julho - Dia do Submarinista

08:00



O Comando da Força de Submarinos, completa  103 anos

A Idéia do Submarino na Marinha do Brasil


 A idéia de dotar a Armada Brasileira com uma nova arma para a Guerra Naval germinou com o desenvolvimento, ainda embrionário, do submarino no final do século XIX e início do século XX.


Eventos históricos, como as experiências com protótipos realizadas por LUIZ JACINTHO GOMES e EMíLIO JúLIO HESS, foram alvos de reportagens sensacionais e de grande importância para a época, com repercussões no exterior. Em 1891, o então Primeiro-Tenente FELINTO PERRY encetava, com entusiasmo e competência, uma campanha para aquisição de submarinos para o Brasil. Seus trabalhos, publicados nos periódicos da época, foram motivos de reflexão e de ampla discussão, despertando o interesse público e motivando a Alta Administração Naval. Em uma sentença, já àquela época, o Tenente PERRY destacava o valor do submarino para a defesa da soberania do Estado: "...que o Brasil veja, o quanto antes, iniciada a sua Marinha no manejo dessa arma poderosa incontestavelmente, fator importantíssimo na defesa das fronteiras marítimas." Em 1904, o Ministro dos Negócios da Marinha, Almirante JúLIO CÉSAR DE NORONHA, incluía três submersíveis no Programa de Construção Naval. A aprovação deste programa pelo Congresso Nacional deveu-se, em particular, ao prestígio parlamentar de LAURINDO PITTA, que habilmente motivou a Câmara dos Deputados para tramitação do projeto, em defesa da reconstituição do Poder Naval brasileiro. O epílogo da campanha de aquisição de submersíveis para a Marinha do Brasil e o início da vida dessa nova categoria de navios na MB vieram a se concretizar em 1911, quando o Ministro da Marinha, Vice-Almirante JOAQUIM MARQUES BAPTISTA DE LEÃO, criou a Sub-Comissão Naval na Europa, em La Spezia, Itália, para fiscalizar a construção de três submersíveis encomendados ao Governo italiano. Foi nomeado para o cargo de Chefe dessa Sub-Comissão o Capitão-de-Corveta FELINTO PERRY.
 
COMANDANTE FELINTO PERRY - Felinto Perry nasceu no Rio de Janeiro, em 1870. Ingressou na Escola Naval, sendo promovido a aspirante a guarda Marinha em março de 1886. Foi nomeado capitão do porto do Rio Grande do Sul em 1891. Exerceu diversas funções, entre as quais, o comando das torpedeiras Araguary e Pedro Affonso, do navio-escola cruzador Primeiro de Março e do destroyer Pará. Em março de 1902, quando era primeiro tenente, foi nomeado adido naval na França e na Alemanha. Exonerado do cargo de imediato do cruzador Tiradentes em fevereiro de 1905, foi nomeado secretário e ajudante de ordens do comando da Segunda Divisão Naval do Sul. Em fevereiro de 1909, quando ocupava o posto de capitão de corveta, foi nomeado chefe de gabinete do Ministro da Marinha. Felinto Perry foi o primeiro comandante da Flotilha de Submersíveis criada em 1914 com a chegada ao Brasil dos submarinos F-1, F-3 e F-5 fabricados na Itália. Em novembro de 1920 foi nomeado diretor da Escola Naval de Guerra, cargo que exerceu até novembro de 1922. Em agosto de 1921, substituiu o Almirante Alexandrino de Alencar na presidência do Clube Naval. Faleceu em dezembro de 1929, quando ocupava o posto de Vice-Almirante
Fonte. Marinha do Brasil

Esquadra recebe prêmio do Programa de Gestão da Marinha

14:09


Comando em Chefe da Esquadra em premiação

O Comando em Chefe da Esquadra recebeu o Prêmio “Excelência em Gestão”, do Programa Netuno, em cerimônia realizada no dia 26 de junho, no Museu do Amanhã, Rio de Janeiro (RJ).
A premiação fez parte do “VI Simpósio de Práticas de Gestão”, realizado pela Diretoria de Administração da Marinha, e visa reconhecer o trabalho de gestão e as iniciativas das organizações militares da Marinha que mais se destacaram no biênio 2016-2017.
“Essa premiação coroa o trabalho em equipe realizado por militares que exercem suas funções com dedicação e profissionalismo” declarou o Comandante em Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Celso Luiz Nazareth.
Fonte: www.marinha.mil.br

Navio Veleiro “Cisne Branco” participa da Sail Den Helder 2017

09:53

NVe “Cisne Branco” em postos de continência

Entre os dias 22 e 25 de junho, o Navio Veleiro (Nve) “Cisne Branco” participou da regata Sail Den Helder 2017, realizada na Holanda, juntamente com outros navios veleiros e diversos meios da Marinha Real Holandesa (RNLN).
O evento teve início com um desfile de navios, onde os participantes saudaram o HNLMS "Morgenster", que transportava o Comandante da RNLN e outras autoridades civis e militares.
A bordo do NVe “Cisne Branco”, estiveram o comandante do navio, Capitão de Mar e Guerra João Alberto de Araujo Lampert; o Adido de Defesa e Naval na República Federal da Alemanha e Holanda, Capitão de Mar e Guerra Marzone Affonso Rêgo Gavino; e a Embaixadora do Brasil na Holanda, Regina Maria Cordeiro Dunlop.
No período em que ficou atracado no porto holandês, além das atividades de cunho representativo, o “Cisne Branco” recebeu cerca de seis mil visitantes.

Visitação pública ao NVe "Cisne Branco" em Den Helder, Holanda

A Embaixadora do Brasil na Holanda, o Adido de Defesa e Naval na República Federal da Alemanha e Holanda e o Comandante do NVe “Cisne Branco”

NVe "Cisne Branco" atracado em Den Helder, Holanda

Fonte: Marinha do Brasil

Marinha do Brasil assina convênio com a Confederação Brasileira de Vela

13:20

A Marinha do Brasil e a Confederação Brasileira de Vela (CBVela) celebraram, no dia 26 de junho, a assinatura de convênio, na sede do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais (CGCFN), no Rio de Janeiro (RJ). O acordo visa viabilizar ações e projetos que auxiliem na preparação dos atletas brasileiros da modalidade de Vela, para as principais competições do calendário oficial da Federação Internacional de Vela, além das competições militares.


Assinatura do Convênio
Estiveram presentes à cerimônia, o Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais; o Presidente da Confederação Brasileira de Vela, Marco Aurélio de Sá Ribeiro; os velejadores olímpicos Torben Grael e Isabel Swan; entre outras autoridades civis e militares.
De acordo com Marco Aurélio, essa assinatura sacramenta uma relação de cooperação que sempre existiu entre a Marinha do Brasil e a Confederação Brasileira de Vela, que agora ganha um caráter estratégico. “Vamos trabalhar cada vez mais juntos, não só para fazer crescer nosso esporte, mas também para fomentar a cultura marítima brasileira, divulgar o trabalho fantástico que a Marinha do Brasil faz na proteção das nossas águas e na formação humana e profissional dos nossos atletas”.
O Presidente da Comissão de Desportos da Marinha do Brasil, Contra-Almirante, Fuzileiro Naval, Pedro Luiz Gueiros Taulois, destacou que, após os resultados positivos nos Jogos Olímpicos Rio 2016, este é mais um passo importante na preparação para as próximas grandes competições que estão por vir. “Com este convênio, ambas as instituições estão empenhando seus esforços para otimizar os recursos financeiros e de pessoal para atingir as metas e os objetivos desafiadores que nos serão impostos e, como os 7º Jogos Mundiais Militares, na China, em 2019, e os Jogos Olímpicos em Tóquio, em 2020.

Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais (ao centro) e atletas da Vela da Marinha do Brasil
Fonte https://www.marinha.mil.br/noticias/