Alcatrazes será aberto à visitação com atividades de mergulhos e visita embarcada

11:51

 Portaria que regulamenta visitação foi assinada dia 13/09 em São Sebastião com a presença de ministros do MMA e Defesa, e do presidente do ICMBio.


O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) abre para visitação pública mais uma Unidade de Conservação federal, desta vez fortalecendo o ecoturismo na região do litoral norte de São Paulo.
Pouco conhecido e dotado de potencial turístico, o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, localizado em São Sebastião/SP, será aberto para a visitação contemplando atividades de mergulho recreativo, visita embarcada e outros eventos náuticos. Para isso, foi assinado no dia 13/09, na Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião/SP, a Portaria de Autorização para Visitação em Alcatrazes.

A solenidade contou com a presença dos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, da Defesa, Raul Jungmann, do presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ricardo Soavinski, e da diretora do SOS Mata Atlântica, Márcia Hirota, pois além da abertura da visitação também foi formalizada uma parceria entre o ICMBio e a fundação, no sentido de oferecer apoio à gestão do Núcleo de Gestão Integrada do Arquipélago de Alcatrazes (arranjo organizacional responsável pela gestão do Refúgio de Alcatrazes e da Estação Ecológica Tupinambás). A partir da assinatura da portaria, empresas de turismo e profissionais autônomos interessados que atenderem aos pré-requisitos estabelecidos no documento poderão se cadastrar para prestarem serviços de visitação no Refúgio de Alcatrazes.
‘’Essa é uma antiga reivindicação de vários setores locais, que possibilita a apropriação e a valorização pela sociedade desse importante patrimônio natural”, argumenta a chefe do Núcleo de Gestão Integrada ICMBio Alcatrazes, Kelen Luciana Leite.

A criação do Refúgio de Alcatrazes representa o fortalecimento do ecoturismo no litoral de São Paulo, em especial para os municípios de São Sebastião, Ilhabela, Caraguatatuba, Ubatuba, Bertioga, Guarujá, São Vicente e Santos, que juntos possuem uma expressiva frota de embarcações de esporte e recreio

A demanda por visitação ao Arquipélago de Alcatrazes é histórica, remonta à década de 90, quando foram iniciadas ações em prol da criação do Parque Nacional Marinho dos Alcatrazes, que propunha o aumento da área marinha protegida e a implantação do ecoturismo como opção para o desenvolvimento sustentável regional. Apesar da expectativa para o turismo no arquipélago, atividades com esta finalidade nunca ocorreram devido a restrições relativas à Estação Ecológica (Esec) Tupinambás (categoria de unidade de conservação que não permite a visitação pública) em algumas áreas, bem como por determinação da Marinha do Brasil, que em função de seus exercícios militares (que atualmente ocorrem na ilha da Sapata), interditou a navegação na região de 1998 até 2008.

A solenidade também marcou o aniversário de um ano do Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, criado em 02 de agosto de 2016. Neste período, os servidores da UC elaboraram alguns dentre seus principais instrumentos de planejamento, a exemplo o Plano de Manejo e do Plano de Uso Público, regulamentando uma série de questões relacionadas à implementação da visitação pública, tendo como fator primordial a manutenção de seus ecossistemas com características e grau de conservação originais.
Nas duas unidades que integram o Núcleo de Gestão Integrada ICMBio Alcatrazes foram registradas 1.300 espécies, sendo que 93 delas estão sob algum grau de ameaça de extinção. Além das ameaçadas, o arquipélago dos Alcatrazes abriga espécies endêmicas, e possui a fauna recifal mais conservada e biodiversa do Sudeste e Sul do Brasil, sendo também área de reprodução e crescimento de espécies de valor comercial para o setor pesqueiro. Regionalmente é reconhecido como patrimônio natural, referência de paisagem para a população, além de abrigar sítios arqueológicos e importante patrimônio histórico.
Abriga também um dos maiores ninhais do país com nidificação de fragatas, atobás e gaivotões. Estão protegidas em Alcatrazes 259 espécies de peixes, destacando-se a garoupa, o tubarão-martelo, entre outras, e ocorre ainda presença considerável da-tartaruga-de-pente e da tartaruga-verde, ambas ameaçadas de extinção. Na região há intensa ocorrência de baleias e golfinhos, sendo ao todo 10 espécies registradas para o arquipélago. A vegetação do arquipélago é caracterizada por áreas de mata atlântica e campos rupestres, e já foram encontradas 320 espécies de flora. Além de exuberante beleza e expressiva biodiversidade, o arquipélago de Alcatrazes faz parte do patrimônio arqueológico, histórico e cultural da região. Os paredões graníticos de 316 metros de altura no meio do oceano impressionam os navegantes por sua beleza, e suas águas com boa visibilidade e grande quantidade de vida marinha são um convite ao mergulho contemplativo.

            

CTMSP e IPEN prontificam novo elemento combustível para o Reator Multipropósito Brasileiro

11:03

A expectativa é de que até outubro de 2018 seja entregue a carga dos 19 elementos combustíveis
O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e o Centro Tecnológico da Marinha (CTMSP) prontificaram o primeiro combustível nuclear para o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB). Este marco confirma a capacitação tecnológica do Brasil na área nuclear, produzindo combustível metálico com urânio enriquecido a 19,9% a ser testado dentro do reator do IPEN/MB-01 dentro das etapas de qualificação exigidas pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).
O primeiro combustível nuclear tipo placa a ser testado no Reator Nuclear de Pesquisas IPEN/MB-01 foi lançado durante a celebração do 61º aniversário do IPEN no dia 31 de agosto de 2017. É o primeiro de uma série de 19 elementos combustíveis que comporão o núcleo do Reator Multipropósito Brasileiro (RBM), importante iniciativa civil para a pesquisa nuclear no País no momento.
O IPEN/MB-01 permite simulação de todas as características nucleares de um reator de grande porte, em escala reduzida, além de possibilitar pesquisa na área de física de reatores. É utilizado, ainda, para a formação de operadores de reatores da Eletrobras Eletronuclear e do Centro de Instrução e Adestramento Nuclear de ARAMAR (CIANA).
O RMB destina-se a dar autonomia ao País na produção de radioisótopos e ampliar a capacidade nacional em pesquisa de técnicas nucleares. Será construído no setor norte do Centro Industrial Nuclear de Aramar (CINA), dentro de parceria entre a CNEN a Marinha do Brasil, para ampliar o uso de medicina nuclear aos brasileiros, além de testes com materiais nucleares para o PNM/PROSUB.
 Fonte: Marinha do Brasil

Marinha do Brasil participa de curso de “Port State Control” no Japão

06:58

Secretário da Tokyo Mou, Hideo Kubota, cumprimenta o CMG (RM1) Edmundo
 
No período de 14 de agosto a 08 de setembro, a Marinha do Brasil, representada pelo Inspetor Naval da Gerência de Vistorias, Inspeções e Perícias da Diretoria de Portos e Costas (DPC), Capitão de Mar e Guerra (RM1) Edmundo Augusto dos Reis Monteiro da Cunha, participou, a convite da Organização Marítima Internacional (IMO), do 7º Curso de Treinamento Geral para Oficial de Controle de Estado do Porto (7º General Training Course for Port State Control Officers), na cidade de Yokohama, no Japão.
 
O curso foi promovido pelo Tokyo Mou, uma das organizações de Port State Control (PSC) mais ativas na região Ásia-Pacífico, e teve como propósito aprimorar os conhecimentos e padronizar os procedimentos adotados nas inspeções de PSC, aquelas realizadas em navios de bandeiras estrangeiras. Na primeira etapa do curso, com duração de duas semanas, foram realizadas apresentações teóricas das principais convenções internacionais, como a SOLAS, MARPOL, STCW, MLC, BWM, ICLL, Resolução A.1052(27), além de estudos de casos de inspeções PSC contestadas pelos Armadores. Na ocasião, o Comandante Edmundo realizou apresentação sobre as atividades de PSC no Brasil, destacando a legislação vigente, a estrutura da Autoridade Marítima e o Acordo de Viña Del Mar.
 
A segunda etapa do curso, com duração de 10 dias, consistiu no acompanhando de inspeção PSC a bordo de sete navios atracados nos portos de Fukuoka e Kitakyushu, ocasião em que pode ser verificado, na prática, a sistemática utilizada pelos inspetores PSC do Tokyo Mou.
Fonte: Marinha do Brasil

Marinha participa do 10º Seminário Internacional de Transporte Hidroviário, em Belém (PA)

06:14

Participantes da abertura do Seminário Hidroviário, com as presenças do Com4ºDN e DHN
 
No dia 12 de setembro, a Marinha do Brasil (MB) participou da abertura do 10º Seminário Internacional de Transporte Hidroviário Interior, realizado em Belém (PA), pela Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (SOBENA), com a presença do Comandante do 4º Distrito Naval, Vice-Almirante Edervaldo Teixeira de Abreu Filho, e do Diretor de Hidrografia e Navegação, Vice-Almirante Marcos Sampaio Olsen, representando o Diretor Geral de Navegação.
 
O Seminário foi realizado até o dia 14 de setembro, e contou com um Painel sobre Segurança da Navegação em Hidrovia, por meio de uma palestra sobre o Papel da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental proferida pelo Capitão dos Portos, Capitão de Mar e Guerra José Alexandre Santiago da Silva.
 
O evento teve o objetivo de fomentar a disseminação de pesquisas e estudos tecnológicos para o desenvolvimento de um sistema eficiente e seguro de transporte hidroviário de cargas e de passageiros no país.
Fonte: Marinha do Brasil

Entrada em vigor da Convenção Internacional para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro

05:48

Convenção Internacional para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro e Sedimentos dos Navios entrará em vigor em 2017:




A partir de 08 de setembro de 2017 passa a vigorar mundialmente a Convenção Internacional para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro e Sedimentos dos Navios (Convenção BWM).

Convenção BWM teve sua adoção internacionalmente em 13 de fevereiro de 2004, com o propósito de prevenir, minimizar e, por fim, eliminar os riscos da introdução de organismos aquáticos nocivos e agentes patogênicos existentes na água de lastro dos navios que entram nos portos.

O Art. 18 da Convenção estabelece que a Convenção só entre em vigor doze (12) meses após a data em que não menos que trinta (30) Estados, cujas frotas mercantes combinadas constituam não menos que trinta e cinco (35) por cento da arqueação bruta da frota mercante mundial, assinem a mesma sem reservas no que tange à ratificação, aceitação ou aprovação, ou tivessem entregue na Organização Marítima internacional (IMO) o instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão em conformidade com o seu Artigo 17.

Sendo assim, no dia 8 de setembro de 2016, com a adesão da Finlândia, foi atingida a arqueação bruta da frota mercante mundial necessária para provocar a entrada em vigor da Convenção 12 meses a partir desta data.
Fonte: Diretoria de Portos e Costa

Matéria com atualização: Alcatrazes será aberto à visitação com atividades de mergulhos e visita embarcada

07:32

Após contato do pessoal do icmbio Alcatrazes, da Sra. Silvia Neri Godoy fizemos uma atualização no material, para a informação correta.


 Portaria que regulamenta visitação foi assinada dia 13/09 em São Sebastião com a presença de ministros do MMA e Defesa, e do presidente do ICMBio.


O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) abre para visitação pública mais uma Unidade de Conservação federal, desta vez fortalecendo o ecoturismo na região do litoral norte de São Paulo.
Pouco conhecido e dotado de potencial turístico, o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, localizado em São Sebastião/SP, será aberto para a visitação contemplando atividades de mergulho recreativo, visita embarcada e outros eventos náuticos. Para isso, foi assinado no dia 13/09, na Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião/SP, a Portaria de Autorização para Visitação em Alcatrazes.

A solenidade contou com a presença dos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, da Defesa, Raul Jungmann, do presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ricardo Soavinski, e da diretora do SOS Mata Atlântica, Márcia Hirota, pois além da abertura da visitação também foi formalizada uma parceria entre o ICMBio e a fundação, no sentido de oferecer apoio à gestão do Núcleo de Gestão Integrada do Arquipélago de Alcatrazes (arranjo organizacional responsável pela gestão do Refúgio de Alcatrazes e da Estação Ecológica Tupinambás). A partir da assinatura da portaria, empresas de turismo e profissionais autônomos interessados que atenderem aos pré-requisitos estabelecidos no documento poderão se cadastrar para prestarem serviços de visitação no Refúgio de Alcatrazes.
‘’Essa é uma antiga reivindicação de vários setores locais, que possibilita a apropriação e a valorização pela sociedade desse importante patrimônio natural”, argumenta a chefe do Núcleo de Gestão Integrada ICMBio Alcatrazes, Kelen Luciana Leite.

A criação do Refúgio de Alcatrazes representa o fortalecimento do ecoturismo no litoral de São Paulo, em especial para os municípios de São Sebastião, Ilhabela, Caraguatatuba, Ubatuba, Bertioga, Guarujá, São Vicente e Santos, que juntos possuem uma expressiva frota de embarcações de esporte e recreio

A demanda por visitação ao Arquipélago de Alcatrazes é histórica, remonta à década de 90, quando foram iniciadas ações em prol da criação do Parque Nacional Marinho dos Alcatrazes, que propunha o aumento da área marinha protegida e a implantação do ecoturismo como opção para o desenvolvimento sustentável regional. Apesar da expectativa para o turismo no arquipélago, atividades com esta finalidade nunca ocorreram devido a restrições relativas à Estação Ecológica (Esec) Tupinambás (categoria de unidade de conservação que não permite a visitação pública) em algumas áreas, bem como por determinação da Marinha do Brasil, que em função de seus exercícios militares (que atualmente ocorrem na ilha da Sapata), interditou a navegação na região de 1998 até 2008.

A solenidade também marcou o aniversário de um ano do Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, criado em 02 de agosto de 2016. Neste período, os servidores da UC elaboraram alguns dentre seus principais instrumentos de planejamento, a exemplo o Plano de Manejo e do Plano de Uso Público, regulamentando uma série de questões relacionadas à implementação da visitação pública, tendo como fator primordial a manutenção de seus ecossistemas com características e grau de conservação originais.
Nas duas unidades que integram o Núcleo de Gestão Integrada ICMBio Alcatrazes foram registradas 1.300 espécies, sendo que 93 delas estão sob algum grau de ameaça de extinção. Além das ameaçadas, o arquipélago dos Alcatrazes abriga espécies endêmicas, e possui a fauna recifal mais conservada e biodiversa do Sudeste e Sul do Brasil, sendo também área de reprodução e crescimento de espécies de valor comercial para o setor pesqueiro. Regionalmente é reconhecido como patrimônio natural, referência de paisagem para a população, além de abrigar sítios arqueológicos e importante patrimônio histórico.


Abriga também um dos maiores ninhais do país com nidificação de fragatas, atobás e gaivotões. Estão protegidas em Alcatrazes 259 espécies de peixes, destacando-se a garoupa, o tubarão-martelo, entre outras, e ocorre ainda presença considerável da-tartaruga-de-pente e da tartaruga-verde, ambas ameaçadas de extinção. Na região há intensa ocorrência de baleias e golfinhos, sendo ao todo 10 espécies registradas para o arquipélago. A vegetação do arquipélago é caracterizada por áreas de mata atlântica e campos rupestres, e já foram encontradas 320 espécies de flora. Além de exuberante beleza e expressiva biodiversidade, o arquipélago de Alcatrazes faz parte do patrimônio arqueológico, histórico e cultural da região. Os paredões graníticos de 316 metros de altura no meio do oceano impressionam os navegantes por sua beleza, e suas águas com boa visibilidade e grande quantidade de vida marinha são um convite ao mergulho contemplativo.



Corpo de Fuzileiros Navais encerra exposição no AquaRio

07:22

 Adultos e crianças receberam explicações históricas sobre a trajetória dos Fuzileiros Navais
 
 
Quase 20 mil pessoas passaram pelo estande que o Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) montou no AquaRio, na zona portuária do Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 15 de setembro.
 
No período, os visitantes puderam conhecer um pouco da história do CFN por meio de quadros, painéis e objetos que revelam momentos marcantes dos Fuzileiros Navais desde 1808 até os dias atuais, como uniformes históricos, materiais operativos, objetos que fizeram parte da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), entre outros.
 
Desde 12 de junho, o AquaRio disponibiliza um espaço exclusivo para exposições sobre ações, pesquisas e projetos da Marinha do Brasil relacionados ao ambiente marinho. O novo Espaço da Marinha do Brasil fica no terceiro piso, ao lado da exposição dos projetos ecológicos.
 
 
Quase 20 mil pessoas visitaram a mostra do Corpo de Fuzileiros Navais no AquaRio


Fonte: Marinha do Brasil

Corveta “Barroso” é o novo capitânia da Força-Tarefa Marítima da UNIFIL

07:19

Cerimônia de transferência
Em 15 de setembro, durante a cerimônia de transferência, ou handover, a Corveta “Barroso” tornou-se, pela segunda vez, o navio capitânia da Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL), em substituição à Fragata “União”, que concluiu com êxito um período de seis meses na missão.
A FTM-UNIFIL foi criada em 15 de outubro de 2006, em atendimento à Resolução 1701 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, por solicitação do governo libanês, tendo a peculiaridade de ser a única Força Naval componente de missão de paz da ONU. A FTM-UNIFIL possui um Estado-Maior multinacional e sete navios de seis diferentes nacionalidades: Alemanha, Bangladesh, Brasil, Grécia, Indonésia e Turquia.
A cerimônia foi presidida pelo Comandante da FTM-UNIFIL, Contra-Almirante Sergio Fernando de Amaral Chaves Junior. O evento contou com a presença do Embaixador do Brasil no Líbano, Jorge Kadri, além de diversas personalidades civis e militares locais e de países integrantes da missão.

Fonte: Marinha do Brasil

Encerramento da Operação ACRUX VIII

06:31

Encerramento da Operação ACRUX VIII
 
Em 29 de agosto, na Base Naval de Zarate, o Capitán de Navio Carlos Daniel MIGHERA, Comandante da Área Fluvial, encerrou oficialmente a Operação ACRUX VIII, que teve a Argentina como país-sede.
 
O Capitán MIGHERA agradeceu a participação de todos os militares e enfatizou a importância da Operação para o crescimento da interoperabilidade e o estreitamento dos laços de amizade entre as Marinhas do Brasil, da Argentina, da Bolívia, do Paraguai e do Uruguai.
 
 
Representantes das Marinhas que participaram da Operação ACRUX VIII

Fonte: Marinha do Brasil

Diretor de Portos e Costas participa de seminário sobre cruzeiros marítimos

05:46

A partir da esquerda: Gustavo Martins (CONAPRA), Adalberto Tokarski (ANTAQ), VAlte Lima Filho (DPC) e Adrian Ursilli (MSC Cruzeiros)
 
Em 30 de agosto, o Diretor de Portos e Costas, Vice-Almirante Wilson Pereira de Lima Filho, participou do Seminário “Cruzeiros Marítimos: o Momento é Esse!”, ocorrido na Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, em Brasília-DF. O evento teve como propósito criar um ambiente favorável de discussões, no qual agentes governamentais, empresários e especialistas debateram sobre experiências, desafios e oportunidades do setor de cruzeiros no país.
 
Na ocasião, o Diretor participou do 2° Painel sobre “Desafios da Regulação no Brasil”, em que destacou a importância do cumprimento das Normas da Autoridade Marítima Brasileira quanto aos aspectos ligados à segurança da navegação, salvaguarda da vida humana no mar e prevenção da poluição hídrica. Participaram também desse Painel o Diretor-Geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Adalberto Tokarski, e o Presidente do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra), Gustavo Martins.
 
Durante o Painel, aconteceram questionamentos do público presente, principalmente em relação ao aumento dos custos operacionais dos navios de cruzeiros marítimos no Brasil, dentre os quais os de praticagem. O Almirante Lima Filho abordou as atividades e desafios da Autoridade Marítima e as preocupações constantes da Marinha do Brasil com a segurança da navegação em Águas Jurisdicionais Brasileiras. O seminário contou ainda com debates envolvendo a indústria de cruzeiros no Brasil e no mundo, a infraestrutura portuária, terminais de passageiros, os destinos turísticos e a receptividade, entre outros temas.
Fonte: Marinha do Brasil

10:49

Bioma é ainda a casa do lobo-guará, entre outras espécies ameaçadas de extinção, além de ser protegido por UCs, como o parque da Chapada dos Veadeiros, recentemente ampliado


Brasília (11/09/2017) - Nesta segunda-feira (11), comemora-se o Dia Nacional do Cerrado. A conservação do bioma, considerado o berço das águas, é estratégica para  manutenção de rica diversidade. Possui grandes reservas subterrâneas de água doce que abastecem importates bacias hidrográficas, geram  energia e contribuem para a produção agrícola e o bem estar das pessoas. Apesar disso, o Cerrado sofre com sérias ameaças.

Uma delas refere-se ao animal símbolo do bioma: o lobo-guará. Ele está na lista das espécies em risco de extinção. Os pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) trabalham para melhorar a conservação do animal, que sofre com o avanço da pecuária, com a plantação da cana, milho e soja. E o trabalho do ICMBio, realizado com outros parceiros, tem produzido resultados positivos.

Soltura

Em novembro, os pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), em conjunto com o Instituto Pró-Carnívoros e a Universidade de Franca (SP), vão soltar uma loba-guará na natureza nas imediações do Parque Nacional da Serra da Canastra, em Minas Gerais. 

Depois de solta, ela também será monitorada para se conhecer melhor sobre seus hábitos durante o período de adaptação à nova vida. O analista ambiental Rogério Cunha de Paula, do Cenap, conta que uma outra loba monitorada por coleira acabou de ter filhotes, cujo desenvolvimento será acompanhado de longe pelos pesquisadores

Hoje, a loba está em um cativeiro em uma área natural aos pés da Serra da Canastra. Neste espaço, o mamífero recebe comida e é acompanhado pelos pesquisadores. Além disso, desperta a atenção de lobos-guará que rondam o espaço do cativeiro na área natural. 

O animal foi resgatado ainda filhote depois que os pais desapareceram em meio a uma queimada em um canavial no interior de São Paulo em agosto do ano passado. Os pesquisadores querem replicar essa experiência de reabilitar filhotes em cativeiros naturais para depois soltá-lo na natureza.

Programa

Os pesquisadores do ICMBio, em parceria com outros órgãos, desenvolvem várias ações para a conservação do lobo-guará. Em 2004, 10 instituições moldaram a base para o Programa de Conservação do Lobo-Guará, conduzido pelo Cenap e Instituto Pró-Carnívoros. Eles levantam informações sobre a estimativa populacional, dispersão de jovens, saúde, genética, comportamentos e dieta.

Juntos, executam ainda ações de educação ambiental e implementam estratégias práticas de conservação como a construção de galinheiros para prevenir os ataques de lobos e outros carnívoros à criação doméstica. O programa é considerado um exemplo mundial de sucesso de conservação de uma espécie ameaçada pelos impactos positivos na ciência e conservação. 

Pelas ações executadas com o lobo-guará, em 2012, o pesquisador Rogério Cunha de Paula foi um dos 40 profissionais da conservação no mundo selecionados ao título de “Herói da Vida Selvagem” em uma publicação norte-americana (wildlifeheroes.org).

Unidades de conservação

Outra ação importante na proteção do Cerrado são as unidades de conservação, como o Parque Nacional de Brasília, no DF, e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Góias. No Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, Veadeiros foi ampliado de 65 mil hectares para 240 mil hectares, ou seja, quase quatro vezes o seu tamanho atual, por decreto assinado pelo presidente da República. Isso assegurou o título de Patrimônio Mundial dada pela Unesco ao parque goiano.

Além de Alto Paraíso, Cavalcante e Colinas do Sul, que já eram abrangidos pelo parque, os novos limites incluem parte dos municípios de Teresina de Goiás, Nova Roma e São João da Aliança, formando com outras áreas protegidas da região – APA estadual do Pouso Alto e 22 reservas particulares do patrimônio natural (RPPNs) – e mais o território quilombola Kalunga um vasto mosaico de unidades de conservação. 

O parque é refúgio de espécies ameaçadas de extinção ou endêmicas (só existem no local), como o cervo-do-Pantanal, lobo-guará, pato-mergulhão e a onça-pintada, maior mamífero carnívoro da América do Sul.

Fonte: http://www.icmbio.gov.br

Carla Viviane
ascomchicomendes@icmbio.gov.br 

DPC recebe visita de práticos da ZP-16

10:30

VAlte Lima Filho reunido com práticos da ZP-16 na DPC
 
No dia 16 de agosto, o Diretor de Portos e Costas, Vice-Almirante Wilson Pereira de Lima Filho, recebeu a visita dos práticos da Zona de Praticagem Santos, São Sebastião e Tebar, no Estado de São Paulo (ZP-16). O novo Presidente da ZP-16, Nilson Ferreira dos Santos, realizou visita de cortesia ao DPC, juntamente com os práticos Fábio Melo Fontes e Júlio Console Simões.  Na reunião, foi reiterado o bom relacionamento da Autoridade Marítima com esses profissionais que assessoram os Comandantes de navios a manobrar nos portos.
 
Das 21.305 manobras de praticagem ocorridas no primeiro semestre de 2017 no Brasil, a Praticagem de Santos (SP), com sua atuação nos Canais de Santos e de São Sebastião, ocupou o primeiro lugar entre todas as ZP, sendo responsável por 19% do total de manobras realizadas (seguida da ZP-15 (RJ) com 16%, e ZP-17 (PR) com 9%), denotando a importância dessa praticagem no contexto do comércio marítimo para o País. 
 
A Diretoria de Portos e Costas (DPC), como Representante da Autoridade Marítima para a Segurança do Tráfego Aquaviário, regulamenta o Serviço de Praticagem e estabelece as Zonas de Praticagem (ZP) em que a utilização desta atividade é obrigatória ou facultativa, além de especificar as embarcações dispensadas de utilizar tal serviço.
Fonte: Marinha do Brasil

Comando do 8º Distrito Naval inicia Semana da Pátria em São Paulo

10:26

 
Banda do Com8ºDN participa do 3º Festival Estudantil de Música Instrumental e Corais da Cidade de São Paulo
 
No dia 02 de setembro, o Comando do 8º Distrito Naval iniciou as atividades da semana da Pátria em São Paulo. A Banda do Com8ºDN participou do 3º Festival Estudantil de Música Instrumental e Corais da Cidade de São Paulo.
 
Os músicos realizaram a abertura do evento com músicas populares e finalizaram com a canção “Cisne Branco”. O público presente também conheceu sobre carreira de música na Marinha e sua relevância cultural para o país.
 Fonte : Marinha do Brasil