Marcelo Neri e os desafios e projetos da Fenamar

09:13

No cargo de presidente da Federação Nacional das Agências de Navegação Marítima (Fenamar) desde agosto de 2019, Marcelo Neri traçou os planos e falou sobre assuntos que estão em alta no mundo do transporte aquaviário. A entrevista exclusiva ao Portal Amigos do Mar foi concedida na sede da Fenamar, em Santos.



Os planos para o período a frente da Federação são muitos. “A primeira reunião presidida por mim foi em Fortaleza (CE), no fim de novembro, e apresentei alguns pontos da minha plataforma. O que foi feito anteriormente foi muito bem feito e a gente quer dar uma cara nossa para alguns pontos”.

Entre os pontos que serão destacados durante a gestão de Neri estão a valorização da categoria através, primeiramente, da qualificação dos profissionais do setor. Segundo ele, isto pode se dar de várias formas e uma delas é através de parcerias com outras entidades internacionais, conforme já vem acontecendo, que proporcionam cursos de elevado padrão para a categoria. “Queremos ter um olhar atento também para tecnologia e ao que ela pode servir como acelerador para o negócio. Sistemas onlines, portos sem papel, “Port Community System, sistemas da receita federal online e outras plataformas vieram para ficar e todos que trabalham dentro destes sistemas devem se preparar cada vez mais para serem agentes que comandem e validem as transações”.



O presidente da Fenamar quer ainda que o agente marítimo tenha mais destaque entre as autoridades. “O agente marítimo hoje precisa de mais relevância perante as autoridades, os atores e todos os interlocutores. Dizer mais quem somos e mostrar todo o poder que temos em nossas mãos em termos de receptores e agentes transformadores de informação. É muito importante que a categoria entenda que passamos, neste novo mundo de inovação veloz e constante, por um momento de transição em nossa profissão. Neste sentido, fazer o marketing da categoria, esclarecendo que não somos somente aquele ator que cuida do navio antes dele entrar, mas que sem o agente o navio não entra ou sai do porto, como também somos nós os grandes detentores da maior gama de informação, podendo nos tornar consultores de inteligência de mercados, pelo papel de catalisadores das informações entre as autoridades e diversos ‘players’ da cadeia não somente atrelada ao transporte marítimo, mas também as cargas que transitam no comércio exterior.

Projetos de eventos em Brasília, como workshops para alavancar conscientização da contribuição que a categoria pode prover, sem deixar o dia a dia de lado está nos planos.

“Estamos obviamente em busca de todos os interesses da categoria como as pautas do código comercial, cabotagem, multas da receita federal que é nosso calcanhar de aquiles hoje em dia”. O presidente diz ainda que em algumas regiões é necessário uma mão de obra mais qualificada e por isso a capacitação e qualificação profissional são destaques entre os planos da sua gestão.

A Fenamar atua em todo o território nacional na coordenação e proteção dos interesses da categoria econômica do agenciamento marítimo, associada aos Sindicatos das Agências de Navegação Marítima existentes em 14 estados brasileiros.



Marcelo Neri também já ocupou o cargo de presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima (Sindamar) do Estado de São Paulo e explica a diferença de assumir um desafio nacional.“A gente tem uma linha diferente de conduta, porque os nossos afiliados são os sindicatos, enquanto no sindicato os nossos afiliados eram as empresas, as agências. Na Fenamar a gente tem o cuidado de elevar os sindicatos. Atuamos para e em prol dos sindicatos.

O presidente da Fenamar também falou sobre problemas que afetam o transporte aquaviário no Brasil. Veja qual é a opinião de Marcelo Neri sobre alguns pontos importantes para evolução do setor.

Gargalos da cabotagem

“Um dos gargalos é o combustível e a questão do ICMS em cima dele. A questão burocrática, do jeito que a cabotagem vem sendo tratada todos esses anos, não faz sentido. Porque a legislação para o transporte rodoviário é de um jeito e para um navio é vista de outra maneira, sendo que o transporte é dentro do território brasileiro. Você tem que ter o mesmo tratamento fiscal, tributário, burocrático. Isso que a gente defende, que o  navio tenha o mesmo tratamento burocrático que um caminhão tem, principalmente na questão do combustível”.

Um bom planejamento logístico também faz parte das soluções para diminuir os gargaloes da cabotagem. “Para o agente marítimo a logística como um todo é importante. O transporte do Brasil foi planejado, de certa maneira, de forma errada. Mas foram planejados e hoje o transporte rodoviário é algo importante, que tem que ser dado seu valor, como o ferroviário também. Como nós trabalhamos com navio nosso interesse é que o transporte aquaviário receba a justa atenção por parte do governo e que aproveite todo o seu potencial para a otimização e melhor equilíbrio da matriz logística”.

Marcelo Neri contou que a Fenamar dá apoio a Aliança Pró-comex para um estudo, solicitado pelo Governo Federal, sobre a parte micro da cabotagem (custos, processos, taxas de terminais, etc). “Participei de algumas reuniões em Brasília, onde a Fenamar deu apoio ao projeto de um estudo encomendado pelo governo a Aliança Procomex. O objetivo é apontar o que há de melhor em termos de taxas portuárias, processos burocráticos atuais e como eles podem vir a ser”, por exemplo, explica.

A Aliança Pró-Comex vai fazer reuniões com todas as federações, associações, empresas, confederações, autoridades, para mapear processos no intuito de que seja apresentado um estudo completo de melhores práticas de mercado para que seja implantado na cabotagem.

Projeto BR do Mar e Código Comercial

“O projeto BR do Mar, embora agora esteja ainda em fase de estudos do governo, deve ser uma política de Estado”.

Novo Código Comercial é um dos temas que a Fenamar está acompanhando de perto. “Esse foi o tema que mais tratei em Brasília desde a minha posse, em 30 de agosto (2019). O capítulo de Direito Marítimo dentro do nosso código vigente é de 1850, então lá cita caravelas ainda. De alguns anos para cá a ABDM (Associação Brasileira de Direito Marítimo) vem trabalhando um novo capítulo para esse código comercial que será votado no congresso”.
Marcelo explica que a exclusão do capítulo inteiro foi cogitada. “A Fenamar vem batalhando para que esse capítulo seja mantido, pois há o texto sobre o agente marítimo. Várias frentes estão junto conosco para manter um “novo Direito Marítimo” no código. O texto que fala do agente marítimo está pronto, acordado entre todos, do jeito que a gente quer, defendendo o que achamos ser justo para nossa categoria”.

Qual é sua definição de Porto Seguro? 
Eu vou de metáfora! A gente tem que dar atenção a todas as pessoas, e uma vez eu conversando com o zelador de prédio, o mesmo me disse que todo homem precisa ter um ponto para voltar. A gente tem que dar importância para todas as pessoas, independentemente de qual cargo ou posição ela está. Este é um ponto de reflexão. Porto seguro como a atenção e o amor as pessoas, quem quer que seja.

Outro ponto é que você precisa em alguns momentos da vida arriscar, mas sempre ter um porto seguro para te dar base e focar em outras coisas e poder voltar. Um ponto de referência....o porto seguro são seus valores.

Marcelo Neri
Casado há 24 anos, completando 25 anos em 2020, tem três filhos - dois rapazes de 24 e 22 anos e uma moça de 15 anos, além de um neto do filho mais velho. Também é presidente da empresa Alphamar, com sede em Santos, e é graduado na Fundação Getúlio Vargas e em universidades internacionais.

You Might Also Like

0 comentários