SUDESTE EXPORT: AUTORIDADES DESTACAM CONTRIBUIÇÃO DA PRATICAGEM

07:03

 

O secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, elogiou, durante o Sudeste Export, a contribuição da Praticagem do Brasil nos resultados que o setor portuário vem alcançando, batendo recordes de movimentação de carga mesmo na pandemia. O evento foi realizado, nos dias 6 e 7 de julho, no auditório da Receita Federal, no Centro do Rio de Janeiro, sendo o primeiro das edições regionais do Fórum Nacional de Logística e Infraestrutura Portuária (Brasil Export). 

– A praticagem realiza um trabalho fenomenal, super elogiado na qualidade do serviço prestado. E os investimentos que a atividade tem feito, em equipamentos e melhorias das condições de trabalho dos práticos, contribuem na otimização do principal ativo do porto, que são os seus canais de acesso, ativo mais caro, mais escasso e que demanda recursos públicos e da própria Autoridade Portuária com dragagens – afirmou Piloni. 

O diretor-presidente da Docas do Rio de Janeiro, Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, citou três conquistas recentes que contaram com a participação ativa da Praticagem do Rio de Janeiro:

– A praticagem foi nossa parceira na navegação noturna do Canal de Cotunduba, participando dos estudos e discutindo intensamente para chegarmos a um denominador comum e poder operar à noite. Com o calado dinâmico (tecnologia implantada pioneiramente pela praticagem em São Paulo), esperamos aumentar o calado dos navios e ampliar as janelas operacionais. Já com o VTMIS (Sistema de Informação e Gerenciamento do Tráfego de Embarcações), vamos fazer um acordo de cooperação técnica, de forma que seja um backup do centro de operações da praticagem, e vice-versa. É um jogo de ganha-ganha, com todos trabalhando na mesma direção.

O capitão dos Portos do Rio de Janeiro, Ricardo Jaques Ferreira, disse que a reunião mensal do grupo formado por Autoridade Marítima, Autoridade Portuária e praticagem tem sido fundamental para os avanços obtidos nas atividades do Porto do Rio, “sempre respeitando os limites de segurança”. Segundo ele, o próximo fruto dessa união de esforços será a homologação dos contêineros de 366 metros:

– Fizemos sete entradas de embarcações com calado de 13,80 metros e já autorizamos um processo de dragagem para que possamos passar a 14,20 metros. Tudo isso só acontece por causa da reunião periódica desse grupo de trabalho.

O diretor-presidente da Docas do Espírito Santo (Codesa), Julio Castiglioni, também destacou a relevância da praticagem na obtenção de ganhos de calado. Em 2020, após uma dragagem de aprofundamento e a instalação de nova sinalização náutica, o Porto de Vitória iniciou as manobras de teste para chegar ao calado de 12,5 metros. 

– A Praticagem do Espírito Santo é reconhecida pelo alto grau técnico. A própria compleição do Porto de vitória exige um conhecimento muito específico que não é facilmente substituível, e que a praticagem domina. Por isso, todas as decisões importantes em assuntos como dragagem, sinalização, manobras noturnas e de teste são tomadas sempre ouvindo a Marinha, obviamente, e a praticagem, sob pena de não conseguirmos fazer – afirmou o diretor-presidente da Codesa.

O diretor-presidente da Santos Port Authority (SPA), Fernando Biral, participou virtualmente do painel do Sudeste Export sobre desestatização, processo em curso nos portos de Santos e Vitória, mais adiantado. Ele defendeu a criação de mecanismos, na privatização, para evitar o conflito de um concessionário que tenha interesse direto na operação. 


Arionor Souza

O último painel teve a moderação do secretário executivo do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra), Arionor Souza, e debateu a relação porto-cidade. Ele lembrou a importância do trabalho da praticagem para a sociedade.

Na abertura do evento, o diretor de Portos e Costas da Marinha, vice-almirante Alexandre Cursino de Oliveira, elogiou a atuação do setor portuário na pandemia: 

– O Brasil soube, por meio do binômio porto-navio, mostrar a sua eficiência, robustez e capacidade de ultrapassar este momento difícil. Por nossos portos, foram importados os insumos que precisamos e exportados os nossos produtos agrícolas e industriais. 

O secretário Diogo Piloni complementou, parabenizando as pessoas por trás da engrenagem portuária:

– Não podemos esquecer dos trabalhadores aquaviários, marítimos, portuários e fluviários que não se furtaram em momento algum de suas funções, entendendo a sua essencialidade para o país.

Além do secretário executivo Arionor Souza, estiveram presentes o diretor do Conapra e prático de Rio Grande, João Bosco; o conselheiro do Sudeste Export e prático de São Paulo, Hermes Bastos Filho; o prático do RJ, Everton Schmidt; e o gerente da Praticagem de SP, Alexandre Canhetti.

Fonte: Praticagem do Brasil


You Might Also Like

0 comentários